Polícia investiga seguranças da CPTM por suposta agressão a grávida

Vigilante foi impedida por agentes de entrar em vagão especial ; funcionário alega que ela não apresentou documento comprovando ser gestante e caiu ao tentar se desvencilhar dos agentes

Marcelo Godoy, Luciano Bottini Filho e Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

26 Fevereiro 2014 | 11h19

Atualizado às 17h39.

A vigilante Nivanilde de Silva Souza, de 38 anos, está internada em estado grave depois de cair na plataforma ao ser abordada por seguranças na Estação Luz da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), às 22h desta terça-feira, 25. Segundo o delegado Oswaldo Nico Gonçalves, titular da Divisão de Atendimento ao Turista (Deatur), responsável também pela CPTM, a mulher é gestante e um estagiário de 17 anos queria impedir sua entrada no vagão preferencial. O acidente aconteceu quando os seguranças foram retirá-la dali.

A polícia informa que o estagiário alega que a passageira não apresentou documento comprovando que estava grávida e por isso foi barrada. De acordo com o boletim de ocorrência, o adolescente pegou a vítima pelo braço e ela o empurrou, tentando se desvencilhar. Durante a briga Nivanilde teria tropeçado, após uma rasteira do rapaz, mas conseguiu se apoiar na grade. O estagiário nega ter agredido a mulher.

A mulher caiu novamente e bateu a cabeça logo depois da ação dos seguranças. As testemunhas, entretanto, não viram o momento da queda. Nivanilde foi levada para a Santa Casa de Misericórdia em estado grave, onde ainda permanecia internada na manhã desta quarta-feira, 26. Uma das testemunhas também disse que passou pela estação em outros dias e já havia presenciado atitudes grosseiras do estagiário.

O caso foi registrado na Delegacia do Metropolitano (Delpom) como abuso de autoridade e lesão corporal gravíssima. Os seguranças alegam que a mulher caiu em meio a confusão, quando tentava se soltar. Os agentes não foram presos em flagrante porque, até as 11h desta quarta, a CPTM ainda não havia enviado as imagens do circuito interno para averiguação, segundo a polícia. O adolescente também será investigado.

A CPTM afirmou em nota que "lamenta a ocorrência com a usuária" e diz que "tomou todas as providências para o socorro imediato". A companhia informou que "está apurando as circunstâncias do evento e ouvindo todos os colaboradores presentes". De acordo com a polícia, não foram encontrados registros de câmeras de segurança da queda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.