Polícia investiga se gás matou mãe e 4 filhos

Exames toxicológicos vão determinar se eles morreram por asfixia após um vazamento no apartamento; outra hipótese é de envenenamento

Luciano Bottini Filho, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2013 | 02h03

A Polícia Civil investiga uma nova hipótese para as mortes da auxiliar de enfermagem Dina Vieira da Silva, de 42 anos, e de seus quatro filhos, de 7, 11, 12 e 16 anos, cujos corpos foram encontrados nessa terça-feira, 17, no apartamento onde moravam, em Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo. Exames toxicológicos vão determinar se as vítimas morreram por asfixia após um vazamento de gás.

Outra hipótese é de que eles tenham morrido por envenenamento após o consumo de um bolo e de uma jarra de suco. Por isso, a Justiça decretou anteontem a prisão temporária por 30 dias do namorado de Dina. O boliviano Alex Guinones Pedraza, de 33 anos, está detido na Cadeia Pública de Suzano.

As suspeitas de asfixia por gás levaram a polícia a solicitar uma vistoria no apartamento da família pelo Núcleo de Engenharia do Instituto de Criminalística (IC). Peritos estiveram ontem no apartamento para analisar o sistema de aquecimento de água do imóvel. A empresa responsável pela instalação do equipamento também esteve no local. O Instituto Médico-Legal (IML) fará uma análise de amostras do pulmão e do cérebro da família.

Ontem, o subsíndico do condomínio Parque dos Sonhos Jacarandá, Marcos Franco, foi ouvido no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que assumiu o caso. Ele disse à polícia que fez reparos em um vazamento de gás em um chuveiro no apartamento das vítimas. Dina, na ocasião, reclamou do cheiro de gás. Segundo ele, a mulher queria trocar o sistema de aquecimento a gás por um elétrico. A polícia confirmou que havia um vazamento no imóvel, mas não deu a dimensão do estrago. Franco disse não ter sentido cheiro de gás no local.

Cheiro. A polícia pretende ouvir vizinhos sobre o suposto vazamento. Serão chamados também policiais militares e a equipe da ambulância que constatou as mortes no local para saber se eles perceberam algum cheiro estranho. No sábado à noite, de acordo com familiares de Dina, a auxiliar de enfermagem tomou banho na casa da mãe do namorado porque desconfiava do cheiro de gás.

O apartamento foi arrombado por Pedraza, com a ajuda de um vizinho e do subsíndico. O chuveiro do banheiro estava ligado. Foram encontrados sinais de vômito e fezes no chão. De acordo com uma análise preliminar, as mortes ocorreram entre a noite de domingo e a manhã de segunda-feira - os corpos foram achados por volta da meia-noite de segunda.

À polícia, o namorado disse que havia saído com a filha de seis anos, do seu relacionamento com Dina, para ir ao mercado por volta das 20 horas do domingo. Ele afirmou ainda que bebeu só um pouco do suco, que teria sido preparado pela namorada, por não ter gostado do sabor.

Asfixia. O professor de Toxicologia da USP Ernani Pinto explica que os sintomas mais comuns de asfixia por gás são náuseas, vômito, perda de consciência e confusão mental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.