Polícia investiga participação de outra pessoa em morte de garota

Investigadores querem saber se alguém deixou a assassina, amante do pai da menina de 6 anos,entrar na casa da família

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

04 Março 2011 | 00h00

A polícia não descarta a participação de uma segunda pessoa no assassinato de Lavínia Azeredo de Oliveira, de 6 anos, na segunda-feira, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. A menina foi morta por Luciene Reis Santana, de 24, amante do pai de Lavínia. Ontem, cerca de 300 pessoas foram ao enterro da criança, no Cemitério Municipal de Duque de Caxias. Muitos gritavam pedindo justiça.

Os investigadores tentam entender como a assassina entrou no quarto da criança sem a ajuda de ninguém na casa, na madrugada de segunda-feira. No dia do crime, além do casal e da filha, 12 pessoas dormiam na casa de dois andares.

A motivação para o crime também ainda não está esclarecida. O pai da criança, o professor de Educação Física Rony dos Santos de Oliveira, diz que Luciene sequestrou a menina porque queria R$ 2 mil. No entanto, mesmo após confessar o crime, a assassina disse que matou a menina por vingança, pois Rony queria terminar o relacionamento.

Segundo a polícia, o relacionamento entre Rony e Luciene durava pouco mais de um ano, com o conhecimento da mãe de Lavínia, a dona de casa Andréia Azeredo. Luciene esteve com a menina pelo menos duas vezes.

Rony desmaiou diversas vezes durante o enterro. Depois da cerimônia, Andréia chegou a ir para a delegacia, mas seu depoimento foi adiado. Ontem, os policiais apresentaram o cadarço usado por Luciene para estrangular a criança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.