Polícia investiga morte de universitário em Presidente Prudente

Caio Cesar Alves de Souza, de 21 anos, foi encontrado agonizando e pode ter sido jogado dentro de fundo de vale

Sandro Villar , Especial para O Estado

17 Junho 2015 | 15h33

PRESIDENTE PRUDENTE - Policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Presidente Prudente, no oeste de São Paulo, começaram a investigar na manhã desta quarta-feira, 17, a morte do universitário Caio Cesar Alves de Souza, de 21 anos, que estudava computação na Universidade Estadual Paulista (Unesp). Há suspeita de homicídio. 

"Iniciamos agora a investigação", disse um investigador ouvido pelo Estado. O policial pediu anonimato e avisou que não poderia dar mais detalhes porque "a investigação está apenas começando". Pelo menos três pessoas que conviviam com o aluno serão ouvidas.

O estudante foi encontrado agonizando pelos bombeiros no fim da manhã de terça-feira, 16, em um fundo de vale, à beira de um córrego, que fica perto de um shopping center. Ele estava em parada cardiorrespiratória e tinha ferimentos. "Nós já o encontramos em parada cardiorrespiratória, com ferimento no olho e uma contusão no abdômen", explicou o sargento Rafael Moreira Machado, de 33 anos, do Corpo de Bombeiros. 

Ele acrescentou que o universitário pode ter sido jogado "na vala onde passa o córrego". Os bombeiros levaram o rapaz para o Hospital Regional, mas ele não resistiu aos ferimentos. O universitário carregava uma chave de motocicleta, um controle remoto de portão e cigarros. "Quando o encontramos não portava documentos", completou o sargento.  

Souza era aluno do curso de Ciências da Computação na Unesp de Presidente Prudente. Depois de negar a realização de alguma festa no câmpus na noite anterior ao crime, uma secretária disse ao Estado que a universidade decretou luto pela morte do aluno. Ele foi enterrado na manhã desta quarta-feira no Cemitério Municipal de Osvaldo Cruz, onde mora sua família.  

Mais conteúdo sobre:
Presidente Prudente violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.