Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Polícia investiga estupro coletivo de adolescentes durante rodeio em Cunha

Elas teriam sido dopadas e, desacordadas, ficaram à mercê de um grupo de homens durante cerca de cinco horas; Polícia Civil acredita que as garotas podem ter sido violentadas por seis homens

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2017 | 08h36

SOROCABA - Duas adolescentes de 14 e 15 anos alegam terem sido vítimas de estupro coletivo, durante um rodeio, na madrugada de segunda-feira, 2, em Cunha, no Vale do Paraíba, interior de São Paulo. 

Elas teriam sido dopadas e, desacordadas, ficaram à mercê de um grupo de homens durante cerca de cinco horas. A Polícia Civil acredita que elas podem ter sido violentadas por seis homens. Dois suspeitos, de 32 e 33 anos, foram presos e admitiram que se relacionaram com as garotas, mas alegam que houve consentimento.

+++ Menino de 11 anos é encontrado em cela de preso acusado de estupro no Piauí

A polícia já identificou um terceiro suspeito - ele levou o celular de uma das jovens. As garotas foram ao rodeio, evento tradicional na cidade, na companhia de uma tia. Quando a mulher decidiu ir embora, elas ficaram no recinto da festa. 

+++ Estudante de 18 anos sofre estupro coletivo no centro de Peruíbe

Conforme o relato das garotas, o dono de uma barraca de bebidas ofereceu cerveja e elas aceitaram, mas logo depois de beberem, as duas teriam passado mal. A menina mais nova desmaiou e a outra tentou socorrê-la, mas também ficou desacordada. Ela acordou horas depois, nua, em um galpão reservado a funcionários do evento.

A garota de 15 relatou ter visto vários homens no local, um deles seminu, sobre a sua colega que também estava nua. Sem conseguir reagir, ela voltou a desmaiar. Quando as duas acordaram, o dia já estava amanhecendo e ainda havia homens no local. As adolescentes saíram do galpão e foram à procura da tia, relatando o que tinha acontecido. Depois de passarem pelo Conselho Tutelar, as garotas foram levadas à Polícia Civil. 

Uma equipe de policiais foi ao local da festa, que estava sendo desmontado, e deteve os dois suspeitos. Eles foram reconhecidos pelas vítimas. 

O delegado Paulo Sérgio Barbosa, que investiga o caso, acredita que um dos suspeitos pode ter colocado alguma substância na bebida dada às garotas. Segundo ele, a alegação de que as adolescentes consentiram com as relações sexuais não ameniza o crime pois elas estavam embriagadas e, ainda assim, negam o consentimento.

Elas relataram que estavam com dores e passaram por exames de corpo de delito. As jovens também receberam atendimento médico. 

A polícia requisitou a relação de pessoas que trabalharam no evento - a maioria reside em outras cidades. 

Os organizadores alegaram que os suspeitos fazem de uma equipe terceirizada e que a empresa colabora com as investigações. A prefeitura de Cunha informou que apenas cedeu o espaço para a realização do rodeio.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.