Policia investiga assalto após morte de bandido em SP

Quadrilha investigada pode estar ligada a invasão em hipermercado e a mais um ataque em loja na zona norte

Ricardo Valota e Bruno Lupion, do estadão.com.br,

09 Dezembro 2010 | 05h22

SÃO PAULO - Ao trocar tiros com policiais militares das Rondas Ostensivas Tobias Aguiar (Rota), o assaltante Caio César da Silva, de 21 anos, que segundo a polícia matou um policial militar na tarde de terça-feira, 7, durante o roubo em uma loja de artigos de Surf na zona norte de São Paulo, acabou levando a pior e morreu, por volta das 19 horas de quarta-feira, 8.

 

Uma denúncia anônima fez com que policiais se deslocassem até a residência na rua Eduardo Adenis, na Favela do Agreste, na Vila Santista, região do Limão. Ao chegarem no local, os PMs foram recebidos por duas mulheres, moradoras da casa. Lucas Roberto da Silva, de 18 anos, desarmado e procurado pela justiça por assalto a uma joalheria de uma das lojas do hipermercado Carrefour, acabou se entregando, mas Caio tentou fugir e, ao atirar contra os policiais, foi baleado e morreu. Um sargento, identificado como Alves, também foi baleado, mas passa bem, após ser encaminhado para o pronto-socorro de Vila Nova Cachoeirinha.

 

As duas mulheres disseram no 13º Distrito Policial, da Casa Verde, que, pela manhã, os dois jovens foram até a residência e pediram abrigo, pois estavam sem casa, mas, como a história foi muito mal contada e há informações de que no assalto à loja de Surf, localizada na rua Professor Celestino Bourroul, havia duas mulheres no grupo de cinco assaltantes, a polícia acredita que as duas suspeitas estejam mentindo e realmente sejam comparsas do criminoso morto. Duas motos roubadas foram encontradas na residência. A polícia poderá pedir a prisão das duas suspeitas caso apareçam provas ou fortes indícios da participação delas no roubo.

 

Assalto - O dono da loja de Surf não reconheceu as mulheres, mas, ao ver o corpo de Caio no IML, teve a certeza de que o rapaz é o mesmo que assaltou o estabelecimento e atirou à queima roupa contra o policial militar Leandro Henrique Nogueira Oliveira, de 28 anos. À paisana, o policial, que estava dentro do comércio, tentou evitar o assalto. No tiroteio, um dos bandidos, Diego José Ferreira, 18 anos, foi ferido e levado pelos comparsas em um Ford EcoSport, mas acabou abandonado pelos colegas. O rapaz continua internado no pronto-socorro do Mandaqui, para onde foi encaminhado pelos bombeiros, acionados por testemunhas que o encontraram caído em via pública.

 

Prisão - Horas depois do assalto ocorrido na tarde de terça-feira, 7, os policiais receberam a informação de que o Ford EcoSport estava na Favela do Agreste, a mesma onde na noite de ontem houve o tiroteio entre o criminoso reconhecido pelo comerciante e policiais da Rota. O veículo, roubado, foi recuperado e detidos Márcio Augusto Dominiciano, 18, e Bruno Ricardo Lopes da Cunha Simões, 21. A dupla foi reconhecida, não pelo assalto à loja, mas sim pelo roubo do veículo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.