Polícia intercepta 1t de maconha do PCC escondida sob carga de açúçar em Perus

Compartimento secreto foi descoberto após caminhão ser abordado na Rodovia dos Bandeirantes

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

28 de junho de 2012 | 03h14

SÃO PAULO - Cerca de uma tonelada de maconha, escondida sobre uma carga de açúcar, foi apreendida, na noite de quarta-feira, 27, por agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (DEIC), após os agentes, da Polícia Civil, descobriram um esquema utilizado pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) no tráfico de armas e drogas.

 

O grupo construiu um compartimento secreto em uma caçamba utilizada para transportar grandes cargas. Para evitar qualquer surpresa, o local era lacrado com solda. Integrantes da 5ª Delegacia do Patrimônio interceptaram em um posto de combustíveis, no quilômetro 27 da Rodovia dos Bandeirantes, em Perus, na zona norte da capital.

 

Após um especialista cortar o metal, os investigadores encontraram no compartimento todo o carregamento de maconha, que pode atingir mais de uma tonelada. O motorista acabou preso. Segundo o delegado Celso Marchiori, o esquema era investigado havia 45 dias. As informações apontavam que uma nova entrega partiria do Paraguai passaria por Mato Grosso e teria destino final no Guarujá, litoral paulista.

 

A quadrilha utilizaria um caminhão Iveco e a caçamba estaria carregada com 27 toneladas de açúcar. Uma equipe passou a acompanhar a carreta a partir da entrada no Brasil. "Sabíamos que alguma coisa estava escondida: armas ou drogas", disse Marchiori. As investigações apontaram que o dono da encomenda encontraria com o condutor da carreta no posto de combustível.

 

A equipe aguardou o encontro, mas ele não aconteceu. Os policiais resolveram então abordar o motorista Carlos Alberto Correia Tosta, de 43 anos, que afirmou desconhecer o esquema. A carga de açúcar foi descarregada e o compartimento encontrado. Tosta responderá por tráfico internacional de drogas. Ele veio do Ceará para realizar o transporte. A equipe apura quem são os outros envolvidos no esquema.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.