Gilberto Amendola
Gilberto Amendola

Polícia indicia motorista de aplicativo por estupro

Imagens de câmera de segurança desmontam versão de motorista e mostram ele entrando no banco traseiro do carro. Homem se apresentou à polícia e afirmou ter sido 'seduzido'.

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2020 | 20h20

A Polícia indiciou um motorista de aplicativo por estupro de uma universitária de 20 anos durante uma corrida. Imagens de câmeras de segurança derrubaram a versão do motorista de 47 anos -  que, segundo a polícia, disse ter sido “seduzido pela jovem e, como homem, não teria resistido”. 

O caso aconteceu na madrugada do último dia 26, por volta das 4h da manhã. A estudante tinha acabado de sair de uma festa, em um bar da zona oeste, quando chamou o serviço de aplicativo da 99 Táxi. 

O carro que fez o atendimento foi um Honda City. A corrida seria até a Mooca, na zona leste, bairro em que a vítima mora.

Conforme a própria passageira relatou para a polícia, ela tinha consumido álcool e estava embriagada. O que aconteceu durante a corrida ela só conseguiu se recordar por meio de lampejos. E entre esses lampejos estaria a cena em que ela tinha sido violentada (ela se recorda do homem parar o carro e ir para o banco de trás com as calças abaixadas).

No dia seguinte, além dos flashes de violência sexual, a estudante notou que o valor e o tempo da corrida não correspondiam ao habitual. Normalmente, naquele horário, o trajeto da zona oeste até a Mooca não daria muito mais de meia hora . Já aquela corrida tinha durado cerca de 5 horas e custado mais de R$ 100.  Ela também declarou ter sentido dores na região genital.

No último domingo, dia 1º, o motorista se apresentou à polícia - com a versão de que teria sido seduzido pela garota. Segundo a polícia, ele teria dito que a passageira também estava no banco da frente e que, de comum acordo, teria pulado para o banco de trás, onde o ato sexual teria se consumado.

 "As imagens de segurança desmontam a versão do motorista. Elas mostram que ele parou o carro, saiu e foi para o banco de trás", falou o delegado Roberto Monteiro de Andrade Junior,  titular da 1ª Delegacia Seccional da Capital. "Ao invés de ajudar a passageira, levando-a para um hospital ou para a casa dela, ele decidiu cometer o abuso", completou.  

O caso foi registrado como estupro de vulnerável na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher.  A estudante passou por exames no hospital Pérola Byington e terá que tomar um coquetel de remédios pra evitar doenças sexualmente transmissíveis. 

A EMPRESA

Em nota, a 99 afirmou que baniu o motorista da plataforma e mobilizou uma equipe "que manteve contato com a passageira para oferecer todo o acolhimento e suporte necessários". A empresa diz estar disponível para colaborar com as investigações da polícia.

"A plataforma lamenta profundamente o caso e reitera que repudia veemente esse tipo de violência. Temos uma política de tolerância zero em relação a isso. Por isso, dedicamos nossos esforços na prevenção, proteção e acolhimento de todos os usuários da plataforma, principalmente para as mulheres." 

Ainda de acordo com a empresa, "passageiras e motoristas que tenham sofrido esse tipo de violência devem reportar imediatamente para a empresa, por meio de seu app, ou no telefone 0800-888-8999.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.