Polícia identifica motorista de Mustang que matou motoboy

O advogado do suspeito foi à delegacia e disse que o motorista está "abalado psicologicamente" e vai se entregar nesta semana

Bárbara Ferreira Santos, O Estado de S. Paulo

10 Agosto 2014 | 19h55

A Polícia Civil identificou o motorista de um Mustang preto que atropelou e matou um motoboy no Itaim-Bibi, região nobre da zona sul da capital paulista, na manhã de sexta-feira, 8. Segundo o delegado do 15.º DP, Marco Aurélio Florid de Batista, o advogado do suspeito foi à delegacia na tarde do mesmo dia e disse que o motorista, que não teve o nome divulgado, está “abalado psicologicamente” e vai se entregar nesta semana.

O motoboy Aroldo Pereira de Oliveira, de 30 anos, morreu após ser atingido pelo Mustang no cruzamento da Avenida Presidente Juscelino Kubitschek com a Rua Professor Atílio Innocenti. A colisão foi por volta das 6h30 de sexta-feira.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), Oliveira estava trafegando em sua moto na avenida, no sentido centro, quando, no sentido oposto, o motorista do Mustang fez uma conversão à esquerda, com o semáforo vermelho, em direção à Rua Professor Atílio Innocenti.

Segundo testemunhas que prestaram depoimento à polícia, o motorista do Mustang não parou para prestar socorro. O veículo foi abandonado a três quarteirões do local do acidente, na Rua Lopes do Amaral.

Vítima. Oliveira chegou a ser levado até o Hospital São Paulo, mas não resistiu e morreu. Familiares da vítima disseram, em entrevista à Rede Record, que o motoboy estava a caminho do trabalho no momento do acidente. Pela manhã ele fazia entregas para uma padaria e no restante do dia trabalhava em uma companhia aérea no Aeroporto de Congonhas, também na zona sul.

“Ele (o motorista do Mustang) abandonou meu filho. Um trabalhador, que trabalhava em dois empregos, que batalhava por seus objetivos. Ele simplesmente não deu atenção, não deu socorro, até atropelou um ciclista também”, afirmou o padrasto da vítima, Carlos Araújo. A SSP, no entanto, não confirma o segundo atropelamento.

Segundo o delegado, um inquérito já foi aberto para investigar o caso. “A princípio ele está sendo investigado por homicídio culposo (sem intenção), omissão de socorro e fuga do local do acidente.” Batista explicou que vai apurar se o motorista teve culpa no acidente se ele não se importou com o resultado da colisão antes de concluir os motivos do indiciamento.

O delegado aguarda o resultado da perícia feita no carro para checar a velocidade em que o Mustang trafegava e como ocorreu o acidente. Segundo Batista, o advogado não explicou por que o motorista fugiu do local do crime e não prestou socorro. O advogado afirmou ao delegado que o motorista promete que vai se entregar no início desta semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.