Polícia Civil/ Divulgação
Polícia Civil/ Divulgação

Polícia identifica jovem que matou médico em São Paulo

Rapaz tem 18 anos e, segundo a família, pratica crimes desde os 11

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2018 | 12h43

SÃO PAULO - A Polícia Civil identificou na manhã desta quarta-feira, 14, o autor dos disparos que matou o médico Roberto Kikawa, no sábado 10. A polícia já solicitou a prisão do jovem.

Segundo Wilson Zampieri, titular do 17º Distrito Policial (DP), Ipiranga, na zona sul de  São Paulo, o jovem Luciano Silva Moreira, de 18 anos, foi reconhecido pela família como um dos assassinos do médico. Ele está foragido.

De acordo com o delegado, a família do criminoso informou à polícia que Moreira pratica crimes desde os 11 anos na região do Ipiranga, Sacomã e Heliópolis.

"Segundo a mãe, Moreira está com a mesma roupa desde o dia que cometeu o crime. A mãe reconheceu o jovem pelas imagens quando caiu o capuz e as luzes no cabelo apareceram. Além disso, ela reconheceu a roupa e os tênis que Moreira usava", disse o delegado

A Polícia informou que já tem o nome do outro jovem envolvido na morte de Kikawa.

Roberto Kikawa foi assassinado na noite do último sábado, 10, no Ipiranga, zona sul paulistana.  A vítima estava no próprio carro, em frente a um prédio, quando foi abordada pelos bandidos, que atiraram. Kikawa era conhecido por projetos que levavam atendimento médico à população mais pobre. 

Kikawa havia saído para jantar em uma pizzaria de Moema, zona sul, com a secretária e a filha dela. Ao deixá-las em casa, parou na frente do condomínio na Rua do Manifesto, via arborizada e com pouca iluminação. Passava das 23 horas. Ninguém viu o momento em que a dupla armada surgiu. Tudo teria acontecido em poucos minutos. "Você é 'parça'? É polícia?", perguntou um dos bandidos. Nervoso, o outro disse: "Atira nele! Atira nele!", relatam testemunhas.

A vítima não teve tempo de desafivelar o cinto: o primeiro disparo atingiu a cintura. Na fuga, os bandidos atiraram outra vez e o atingiram na axila. Ele morreu antes de chegar o resgate. A dupla fugiu sem levar nada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.