Polícia frustra roubo de caixas eletrônicos em SP

Assaltantes usam spray para driblar as microcâmeras instaladas em supermercado

Andressa Zanandrea, do Jornal da Tarde,

16 de julho de 2007 | 10h02

Vidros cobertos por plásticos pretos para dar privacidade ao "trabalho". Seis cilindros para alimentar o maçarico usado para cortar os caixas eletrônicos. Sete homens, armados, que estudaram muito bem o alvo e viram que não havia muita dificuldade em acessar os equipamentos. O crime quase perfeito, registrado pela máquina digital dos bandidos, não deu certo e foi impedido por policiais do Setor de Investigações Gerais Oeste (SIG Oeste) na madrugada desta segunda-feira, 16.   Os assaltantes teriam apenas de driblar as microcâmeras instaladas nos terminais e desativar o sistema de alarme do supermercado, localizado na esquina da Avenida Vereador João de Luca e da Rua Nazaré Rezek Farah, na Vila Santa Catarina, na zona sul.   A ação teve início por volta da meia-noite. Depois de passar tinta spray nas microcâmeras e pegar mais de 20 garrafas de água mineral no interior do supermercado - após arrombar a porta de ferro e deixá-la amassada - para resfriar o metal após usar o maçarico, os criminosos chegaram a violar um dos quatro caixas, que ficam na área dos carrinhos.   Três investigadores do SIG Oeste chegaram ao local por volta da 1h30. Os olheiros avisaram aos comparsas que estavam dentro da loja, e começou a fuga. Houve troca de tiros e um assaltante, ainda não identificado, foi baleado na perna e preso, mas os outros seis conseguiram fugir, divididos em dois carros.   Para trás, a quadrilha deixou, além de muito dinheiro, duas bolsas: uma com dezenas de pacotes contendo 20 carteiras de cigarros cada e a outra com vários quilos de picanha, que garantiriam o churrasco em comemoração ao grande golpe.   Ferramentas como grifo, talhadeira e chave de fenda, usadas para abrir o caixa, também ficaram pelo chão. Partes do caixa eletrônico do Bradesco, como a espessa placa de ferro retirada da parte da frente do terminal, também ficaram espalhadas.   O grupo, segundo o delegado titular do SIG Oeste, Ricardo Rodrigues, era monitorado havia 15 dias, por causa de outros roubos, cometidos principalmente na zona oeste. Assim, ficaram sabendo da ação que ocorreu na madrugada. "Tudo indica que eles são especialistas no ramo e que não havia vigia noturno no supermercado", afirmou o delegado.   A máquina fotográfica usada pelos bandidos para registrar a ação e um revólver calibre 38 foram apreendidos. Os seis assaltantes que fugiram do local estão sendo procurados, inclusive em prontos-socorros, pois a polícia acredita que haja outros baleados.  

Mais conteúdo sobre:
assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.