Polícia fecha boate que oferecia prostitutas como prêmio

Gangorra's Club, em Moema, colocava garotas de programa como premiação para quem jogasse em caça-níqueis

25 de outubro de 2007 | 12h04

O Grupo de Operações Especiais (GOE), da Polícia Civil, fechou na madrugada desta quinta-feira, 25, uma boate na zona sul de São Paulo que oferecia garotas de programa como prêmio para clientes que jogavam em caça-níqueis do local. Após denúncia, os policiais chegaram à Gangorra's Club, no bairro de Moema, por volta das 22 horas da última quarta.   No momento da operação, acionada pelo Ministério Público (MP), havia dez prostitutas e quatro clientes, além de dois donos da boate, segundo os policiais. Os dois donos foram presos.   Foram apreendidas também na casa noturna sete máquinas caça-níqueis. Os proprietários foram levados ao 27º Distrito Policial (Campo Belo), onde foram indiciados por crime de favorecimento à prostituição.   Desde julho, pelo menos outras três boates da cidade foram fechadas. Na última semana, o GOE fechou a Ilha da Fantasia, na Vila Prudente, zona leste. No fim de agosto, os agentes haviam fechado o Café Millenium, na região do Cambuci, na zona sul. Um mês antes, a Prefeitura havia fechado pela primeira vez a boate Bahamas, também em Moema, na zona sul.

Tudo o que sabemos sobre:
ProstituiçãoBoateSPGOECaça-níquel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.