Polícia fecha bingo clandestino na Lapa pela 3ª vez

PMs encontraram 49 máquinas em pleno funcionamento; foram apreendidos R$ 18 mil no local

Andressa Zanandrea, Jornal da Tarde

27 de março de 2008 | 09h35

Uma denúncia anônima de um ex-funcionário levou ao fechamento de um videobingo na Lapa, Zona Oeste, na madrugada desta quinta-feira, 27. Esta foi a terceira vez que a casa, localizada na Rua Monteiro de Melo, foi fechada. A primeira, em abril do ano passado, após a queda de liminares que permitiam o funcionamento de bingos, e a última, em novembro. Apesar da proibição por duas vezes, a casa continuava funcionando. Se não fosse pela falta de placas na fachada ou pela bagunça, com móveis e objetos amontoados, logo na entrada, o local pareceria uma casa de jogos dos tempos da jogatina liberada. Chão carpetado, ar condicionado, TV de plasma, cadeiras com encostos altos e um bar garantiam o conforto dos freqüentadores. Policiais militares do 4º Batalhão chegaram ao local por volta da 0h15 e encontraram a porta fechada, além de quatro câmeras de vigilância. Após arrombarem a porta, os PMs encontraram um salão onde funcionavam 49 máquinas, cerca de 40 apostadores, quatro funcionárias e o gerente da casa. Com as funcionárias, que, segundo a polícia, eram responsáveis por vender fichas para as máquinas, foram apreendidos cerca de R$ 18 mil. Dessa quantia, R$ 12 mil era em dinheiro e cheques, e o restante, em comprovantes de cartões de débito. Além das quatro câmeras externas, havia uma na parte de dentro do bingo. Os monitores com as imagens captadas ficavam em uma salinha, ao lado do escritório da administração da casa. Essas portas também estavam trancadas e tiveram de ser arrombadas pela polícia. Todos que estavam no bingo foram levados, em um ônibus, ao 7º Distrito Policial (Lapa). As funcionárias e o gerente assinaram termo circunstanciado pela prática de jogos de azar. Metade dos apostadores, segundo a polícia, tinha mais de 60 anos. Os idosos foram dispensados de prestar depoimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.