Polícia faz reconstituição em hospital onde 3 morreram

Equipe médica do Vera Cruz participa de simulação para investigar morte de pacientes após exame de ressonância magnética

Ricardo Brandt, de O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2013 | 11h57

CAMPINAS - O Instituto de Criminalística realiza na manhã desta quarta-feira, 6, a reconstituição da morte de três pacientes submetidos a exames de ressonância magnética, no Hospital Vera Cruz, em Campinas, interior de São Paulo. Cerca de 30 pessoas acompanham os procedimentos simulados por médicos, enfermeiros e técnicos em radiologia, que estavam na unidade no dia 28, quando os dois homens e uma mulher tiveram parada cardiorrespiratória, logo após o procedimento.

 

A Polícia Civil investiga a causa das mortes. A principal suspeita é de que uma substância química foi injetada nesses pacientes no contraste aplicado durante o procedimento, para melhorar a imagem e o diagnóstico do exame. Para a polícia, as chances de falha humana devem ser consideradas, bem como ato intencional, caracterizando crime com intenção de matar.

 

Uma superdosagem do produto ou uma morte provocada por algum organismo microbiológico, como bactéria, são praticamente descartadas. O diretor do IC, em Campinas, Nelson da Silva, disse que todas as versões apresentadas serão simuladas durante a reconstituição, com acompanhamento da equipe do delegado José Carlos Fernandes, que apura o caso.

 

As vítimas tinham entre 25 e 39 anos, não tinham problemas de saúde e fizeram uma ressonância do crânio. Apesar da reconstituição, apenas os exames laboratoriais e necroscópicos do Instituto Adolfo Lutz e do Instituto Médico Legal poderão apontar a causa das mortes. Uma primeira simulação dos fatos já havia sido feita informalmente na semana passada.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.