Denny Cesare/Código19
Denny Cesare/Código19

Polícia faz operação contra quadrilha que assaltou Samsung

Cem policiais tentam prender grupo que levou carga de R$ 80 mi de unidade em Campinas; produtos eram comercializados no Paraguai

Rene Moreira, Especial para O Estado

16 Dezembro 2014 | 10h48

FRANCA - A Polícia Civil realiza na manhã desta terça-feira, 16, operação para prender os suspeitos de assalto à fábrica da Samsung em Campinas, no interior de São Paulo, nas cidades de São Paulo, Osasco, Taboão da Serra e São Roque. Cerca de cem policiais participam da operação para cumprir oito mandados de prisão e 17 de busca e apreensão.

O assalto aconteceu em julho, quando cerca de 20 homens armados invadiram a unidade, na Rodovia Dom Pedro I (SP-065), após renderem vigias e funcionários. Usando sete caminhões, eles roubaram 40 mil aparelhos eletrônicos - como tablets e celulares - avaliados pela polícia em R$ 80 milhões. Já a companhia informou na época um prejuízo de R$ 14 milhões.

A Operação Android, como foi denominada, está sendo desencadeada pela Polícia Civil de Campinas tendo à frente a Delegacia de Investigações Gerais (DIG). Os suspeitos são levados para o local onde prestarão depoimento e depois serão mandados para a cadeia. 

Imagens do circuito de segurança da fábrica ajudaram os policiais a identificar os integrantes da quadrilha. Dois deles foram localizados com armas e um quilo de cocaína na região do Jaguaré, na capital paulista.

O roubo. Para entrar na Samsung, no início da madrugada de 7 de julho, primeiro os assaltantes pararam uma van que transportava funcionários da empresa. Eles então roubaram os crachás e as roupas das vítimas e, assim que entraram na unidade, foram rendendo vigias e outros trabalhadores.

A carga roubada começou a aparecer semanas depois em lojas do Paraguai, onde era possível comprar smartphones que valem quase R$ 3 mil cada.

Um consumidor adquiriu um desses aparelhos e não conseguiu habilitar no Brasil, ocasião em que procurou ajuda técnica e descobriu que era roubado. Depois disso, um trabalho da polícia brasileira com o apoio da Justiça Paraguaia apreendeu, em Cidade Del Este, outros equipamentos levados da Samsung, o que acelerou a identificação dos suspeitos pelo assalto.

Mais conteúdo sobre:
CampinasSamsung

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.