MARCELO GONCALVES/SIGMAPRESS
MARCELO GONCALVES/SIGMAPRESS

Polícia faz apelo por denúncias sobre assassinato da menina Vitória

Crime completou duas semanas e polícia enfrenta dificuldade para chegar a suspeitos. Uma pessoa está presa temporariamente

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 23h37

SOROCABA – Com poucas pistas sobre o crime, que nesta sexta-feira, 22, completou duas semanas, a Polícia Civil está fazendo um apelo para que as pessoas falem o que sabem sobre o rapto e morte da menina Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, assassinada após sair de casa para andar de patins, em Araçariguama, interior de São Paulo.

+ Polícia faz perícia em terceiro carro suspeito de ter levado Vitória

Conforme o delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, Acácio Aparecido Leite, não houve uma única denúncia ou informação anônima capaz de ajudar nas investigações. “A gente pede que as pessoas utilizem os canais de denúncia que estão disponíveis. O autor da denúncia não precisa de identificar e será mantido no anonimato”, disse.

Segundo ele, numa cidade pequena, como Araçariguama, é comum as pessoas observarem o que se passa ao redor. Ele acredita que a abordagem à garota pelo assassino e o deslocamento do carro pela cidade podem ter sido vistos por alguém, pois aconteceram em plena luz do dia. Ele acredita que os possíveis informantes podem ter se assustado com a grande repercussão do caso e deixado de passar as informações à polícia.

Nesta sexta, a polícia concluiu que as ameaças feitas à mãe da menina com o uso de um aplicativo de celular, eram falsas. O autor foi identificado e é pessoa com problemas mentais, que havia agido da mesma forma em outras ocasiões, com o objetivo de chamar a atenção para si. Duas semanas após o crime, a polícia mantém três pessoas sob suspeita de envolvimento no caso.

Além do servente de pedreiro que está preso temporariamente, é investigado um casal de Mairinque que, segundo o detido, teria levado Vitória de carro. A polícia espera que os laudos de perícias no corpo da vítima e em amostras dos suspeitos ofereçam alguma pista para o crime. Ainda são analisadas as imagens de câmeras instaladas no possível percurso feito pelo carro em que Vitória foi levada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.