JB Neto/AE
JB Neto/AE

Polícia encontra corpos em decomposição dentro de casa em SP

Uma marreta foi encontrada pela PM, que vai investigar se a ferramenta foi usada; residência fica na zona sul

Daniela do Canto, do estadao.com.br,

09 Fevereiro 2010 | 08h43

Dois corpos em estado avançado de decomposição foram encontrados por policiais militares dentro de uma residência na Vila Nova Conceição, zona sul de São Paulo, na noite desta segunda-feira, 8. A polícia ainda não sabe dizer como os dois homens morreram. Até o momento, eles foram identificados apenas como Edson Simoni e Carlão.

 

A Polícia Militar foi acionada às 22 horas por vizinhos do imóvel, na Rua Monte Aprazível, que sentiram um cheiro forte vindo de dentro de casa. Ao chegarem, os policiais tiveram de arrombar a porta. O odor decorrente da decomposição dos corpos já tomava a rua toda. Um dos corpos foi encontrado pelos policiais na sala. O outro estava na cozinha.

 

Conforme vizinhos, Simoni vivia da renda de uma herança de família e era amigo de diversos catadores de papelão que trabalhavam na região, que costumavam frequentar a sua casa. Entre esses amigos, estava Carlão. Os vizinhos ainda afirmaram que não viam Simoni há vários dias e que estranharam ainda mais no último sábado, quando o morador não colocou o lixo para fora de casa. Nesse mesmo dia, o cachorro dele, um poodle, latiu muito, chamando a atenção da vizinhança.

 

Os filhos de Simoni, que moram no estado do Rio de Janeiro, foram avisados da morte do pai e chegaram a São Paulo no final da madrugada de terça-feira, 9, acompanhados de outros familiares. Eles não quiseram dar declarações à imprensa.

 

Peritos e equipes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) estiveram no local. Os policiais apreenderam uma marreta dentro de casa e vão investigar se a ferramenta teria sido usada para ferir Simoni e Carlão. O caso foi registrado no 96º Distrito Policial (Brooklin).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.