Facebook/Reprodução
Facebook/Reprodução

Polícia encontra corpo de estudante de Direito que ficou 9 dias desaparecida

Fernanda Pimenta Cerqueira, de 36 anos, foi vista pela última vez na casa do ex-marido, que está preso e é suspeito do crime

Luiz Alexandre Souza Ventura, Especial para o Estado

25 de janeiro de 2016 | 12h49

SANTOS - Após nove dias de buscas, a polícia localizou o corpo da estudante de Direito Fernanda Pimenta Cerqueira, de 36 anos, que havia desaparecido no Guarujá, litoral sul de São Paulo. O corpo, em estado avançado de decomposição, com os cabelos raspados e a mão esquerda decepada, foi encontrado no sábado, 23, em um matagal na região do Iriri, na Área Continental de Santos, às margens da Rodovia Rio-Santos. A primeira identificação foi feita com base em uma tatuagem no pé direito: uma pimenta junto à palavra Cerqueira, sobrenome do ex-marido.

Sergio de Souza Cerqueira, de 35 anos, é o principal suspeito do crime e está preso desde sexta-feira. O casal havia se separado em novembro do ano passado e tem uma filha pequena, que está atualmente na casa dos avós paternos em Itapeva, no interior paulista. O caso corre sob segredo de Justiça.

Fernanda havia sido vista pela última vez no dia 14, quando esteve na casa do ex-marido, no distrito de Vicente de Carvalho. Segundo depoimento de Cerqueira à polícia, a estudante saiu do imóvel e afirmou que andaria até a residência de uma costureira no mesmo bairro, mas jamais chegou o local.

A vítima cursava Direito no câmpus Guarujá da Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp) e trabalhava na CPFL Piratininga. Durante a procura, amigos e familiares mobilizaram as redes sociais para tentar descobrir seu paradeiro. Uma manifestação chegou a ser marcada, mas acabou cancelada quando o corpo de Fernanda foi encontrado.

A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) comanda o caso e já pediu um exame para saber se houve violência sexual. O corpo da estudante foi encaminhado ao Hospital das Clínicas, em São Paulo. Não há previsão para velório ou sepultamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.