Policia Militar
Policia Militar

Carro do irmão do ator Marco Ricca, desaparecido há 6 anos, é encontrado com ossada

Ossada foi localizada no interior do veículo e polícia acredita que possa se tratar do produtor cultural Giuliano Ricca, desaparecido desde outubro de 2014. Família havia pedido ajuda para descobrir paradeiro

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2020 | 19h32
Atualizado 02 de novembro de 2020 | 21h42

Um carro foi localizado às margens da Rodovia Presidente Dutra, que liga São Paulo ao Rio, na manhã desta segunda-feira, 2. Dentro dele, a polícia encontrou a ossada de uma pessoa. Pelas características do veículo, os investigadores acreditam que possa se tratar do irmão do ator Marco Ricca, o produtor cultural Giuliano Ricca, que estava desaparecido desde outubro de 2014.

Segundo o G1, as placas do carro (EMO 9888) e o modelo (Honda CR-V de cor preta) batem com a identificação do veículo que Giuliano usava no dia em que desapareceu.  A publicação diz que o carro tinha sinais de capotamento e foi encontrado por funcionários de um sítio que realizariam uma obra. A polícia foi acionada para coleta da ossada e continuidade dos trabalhos de investigação. 

Em dezembro de 2014, o ator Marco Ricca divulgou um comunicado pedindo ajuda para descobrir o paradeiro do irmão. O desaparecimento ocorreu em 18 de outubro daquele ano, mas era tratado de forma reservada por decisão da família e da polícia para não atrapalhar as investigações. "Chegamos a um ponto em que qualquer dado sobre o paradeiro do meu irmão é fundamental para a conclusão do caso", dizia a nota divulgada sobre o caso na época.

Em nota, a concessionária CCR Nova Dutra, que administra a rodovia, disse ter sido acionada pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) para realizar a retirada de um veículo no km 192,8 da pista sentido Rio de Janeiro, no município de Santa Isabel. O veículo foi removido para a delegacia de Arujá.

Tudo o que sabemos sobre:
Rodovia Presidente DutraMarco Ricca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.