Com ferimentos na cabeça e barriga, mulher é encontrada morta em condomínio

Foi a irmã de Mariana Marcondes, de 43 anos, quem acionou a PM, após dois dias tentando localizá-la; segundo a polícia, marido é o principal suspeito e está desaparecido com os dois filhos do casal

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

20 Setembro 2016 | 11h11

SÃO PAULO - A polícia encontrou o corpo de uma mulher em um apartamento no Condominio JK, no Belém, zona leste de São Paulo, nesta terça-feira, 20. Mariana Marcondes, de 43 anos, foi encontrada com indícios de homicídio. O ex-marido dela, Chateaubriand Bandeira Diniz,  de 51 anos, principal suspeito, está desaparecido, segundo os policiais, junto dos dois filhos da família, de 6 e 9 anos.

Os PMs foram acionados pela irmão da vítima, que ligou avisando que há dois dias já não tinha informações dela. Um chaveiro foi chamado para abrir a porta do apartamento e, quando entraram, encontraram a mulher morta, com ferimentos na cabeça e na barriga, que teriam sido causados por pauladas. O caso foi registrado no 81º Distrito Policial (Belém).

No boletim de ocorrência consta que foi encontrado "muito sangue, de aparência não muito recente" em volta da cabeça da vítima, além de uma mancha sangue no tórax. O corpo dela estava encostado na porta de um dos quartos, que também apresentava manchas de sangue. A blusa da vítima também estava com um "pequeno furo", provavelmente causado por um objeto perfurante, que não foi localizado.

Mariana e o ex-marido foram vistos pela última vez em um churrasco no condomínio em que moravam, no Belém. Eles teriam se desentendido e, em seguida, saíram da festa. 

Segundo relato de parentes, Mariana e o ex-marido voltaram a se encontrar há cerca de um mês após a separação. "Eles tinham uma relação conturbada. Ele já tinha batido nela e até sido condenada pela Lei Maria da Penha", disse o irmão da vítima, Maurício Marcondes.

Segundo Marcondes, o ex-marido era alcoólatra e estava desempregado. Era sustentado por Mariana. "A família ajudava também. Foi criando um monstro ainda maior".

Mais conteúdo sobre:
ViolênciaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.