Polícia diz ter identificado grupo que tentou resgate em Fórum

Menino de 8 anos e soldado que morreram em tiroteio na frente do Judiciário, em Bangu, foram enterrados ontem

ADRIANO BARCELOS / RIO , CLARISSA THOMÉ / RIO, O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2013 | 02h03

A Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio diz ter identificado ontem o responsável pela tentativa de resgate de dois presos do Fórum de Bangu, anteontem. A ação foi protagonizada por pelo menos dez homens armados. No ataque ao Fórum, foram mortos um policial militar e um menino de 8 anos que passava pela frente do Judiciário.

Segundo a Polícia Civil, o traficante Leandro Nunes Botelho, conhecido como Scooby, teria liderado o grupo que tentou retirar do Fórum os traficantes Alexandre de Melo, o Piolho, e Vanderlan Ramos da Silva, o Chocolate.

Scooby foi identificado pela análise das imagens das câmaras de segurança. Outros dois criminosos foram identificados, mas os nomes não foram revelados. O disque-denúncia aumentou a recompensa por informações sobre Scooby - de R$ 2 mil para R$ 5 mil.

Desde as 4h de ontem, a PM realizou uma operação em favelas próximas de Bangu envolvendo 45 homens, incluindo blindados e integrantes do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Pelo menos oito pessoas foram presas, mas não está claro se elas têm ligação com o tiroteio no Fórum.

Ousadia. O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, lamentou o fato e disse que em partes da cidade os criminosos têm ousadia. "Infelizmente é a lógica do crime, que por muito tempo esteve tomando atitudes que bem lhe convinham e ainda tem esse ímpeto de achar que pode fazer o que bem entende." Indagado se houve falha por parte dos policiais militares, Beltrame ressaltou que a distribuição do efetivo cabe "ao Tribunal de Justiça".

Ontem, foram sepultados o menino Kayo da Silva Costa e o sargento Alexandre Rodrigues Oliveira, que morreram durante o tiroteio. Depois do enterro de Kayo, parentes e amigos fizeram um protesto diante do Fórum de Bangu, pedindo mais segurança para a região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.