Polícia deve concluir hoje o inquérito

Laudo do IML, divulgado ontem, confirmou que Matsunaga foi atingido por um tiro no lado esquerdo do crânio

O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2012 | 03h05

O delegado Mauro Dias, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), recebeu ontem laudo do Instituto Médico-Legal (IML) confirmando que o diretor executivo da Yoki Marcos Matsunaga foi atingido do lado esquerdo do crânio pelo tiro de Elize. Hoje, o policial deve encaminhar à Justiça o relatório final do caso, pedindo a prisão preventiva da assassina.

"Apesar de encaminhar para a Justiça, eventuais dúvidas continuarão a ser investigadas até serem sanadas em busca da verdade real", disse Dias. A polícia ainda investiga, por exemplo, se Elize agiu de fato sozinha e se houve premeditação da morte de Matsunaga.

O juiz Théo Assuar Gragnano, da Vara Criminal de Cotia, negou anteontem o pedido de revogação da prisão temporária de Elize, que confessou ter matado e esquartejado o marido. Ela está presa desde o dia 5 na Cadeia Pública de Itapevi, na Região Metropolitana.

Segundo o magistrado, não há razão para que Elize fique em liberdade, como pediu o advogado Luciano Santoro. Na decisão, o juiz afirmou que a alegação de que não há outras diligências policiais a serem feitas nos próximos dias não foi confirmada. O advogado dela também havia argumentado que Elize tem todos os requisitos para responder ao processo em liberdade e não fugiu após matar o marido. / W.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.