Reprodução
Reprodução

Polícia desmente onda de sequestro de crianças em São Paulo

Segundo o 'Estado' apurou, nenhum dos supostos casos relatados foi registrado nas delegacias da capital ou da Grande SP; boatos começaram nas redes

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

16 Dezembro 2016 | 11h43
Atualizado 16 Dezembro 2016 | 21h08

SÃO PAULO - Boatos sobre crianças sendo sequestradas na porta de escolas ou quando estão chegando em casa estão deixando a população em pânico. A notícia falsa tem se espalhado pelas redes sociais e por WhatsApp rapidamente. Por semana, em média, cinco falsos sequestros são desmentidos pela Polícia Civil. Segundo a corporação, em novembro foram registrados apenas duas tentativas de sequestro em São Paulo.

A onda de boatos atinge todos as regiões da cidade - só nesta semana quatro supostos casos chamaram a atenção nas redes sociais. Isso fez o secretário de Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa, gravar um vídeo e publicá-lo na página da internet da pasta, no qual a firma que não existe onda de sequestro de criança em São Paulo.

 

A onda de boatos também motivou mal-entendidos. Na quinta-feira, 15, no Shopping Eldorado, na zona oeste paulistana, uma criança aparentando 10 anos teria sido abordada por um bandido no Playland, mas teria escapado, graças a ação dos pais. Em nota, o shopping informou que o episódio foi um mal-entendido rapidamente esclarecido com os responsáveis.

Outro boato dizia que, próximo dali, na frente de um colégio particular, uma criança teria sido atacada de manhã. Na zona leste, em Guaianases, um menino teria sido atacado por um casal quando descia da perua escolar, mas foi salvo pela motorista que lutou com os bandidos. Boatos com descrição idêntica sobre a ação dos bandidos e reação das vítimas também circularam em outros bairros.

Em Americanópolis, na zona sul, os moradores dizem que pelo menos três casos teriam ocorrido nos últimos 20 dias. O histórico é basicamente o mesmo: a criança é atacada quando desce da perua escola em frente de casa ou então quando está andando com mãe. Os bandidos sempre são um casal que acaba fugindo com a aproximação de outros moradores. E a polícia nunca é chamada.

Para aumentar ainda mais o receio da população, um vídeo circula no WhatsApp e mostra uma criança sendo levada por um motociclista. Pelos boatos, o caso teria ocorrido em São Paulo. A polícia declarou que não há registros de ocorrências dessa natureza e também não ha nada que comprove que o caso ocorreu na cidade.

Fatos. A diretora do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), delegada Elisabete Sato, responsável pela Divisão Antissequestro, disse que não há nenhum sequestro de criança sendo investigado pelo departamento. “É preciso que a polícia seja acionada pela população, caso essas informações sejam verídicas. Até agora, são apenas boatos.”

O Estado apurou que houve dois casos de tentativa de sequestro registrados em delegacias da capital, em novembro. O 83.º DP (Parque Bristol) relatou um caso de uma menina de 8 anos que foi abordada por um casal quando voltava para casa com a mãe. A dupla tentou levar a criança, mas foi impedida pela mãe e fugiu. No Ipiranga, uma mãe com duas crianças foi atacada por um casal que tentou levar os seus filhos, depois de parar o carro para pedir informações. A mulher resistiu e o casal fugiu. Um retrato falado dos suspeitos foi feito pela polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.