Polícia descobre motociclista com 100 mil pontos na CNH

Investigadores apuram supostas transferências fraudulentas de pontos e vão ouvir o recordista, que mora em Peruíbe

GIO MENDES, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2012 | 03h01

Um motociclista de 37 anos é o novo recordista em acumular pontos de multas na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Morador de Peruíbe, no litoral paulista, ele tem cem mil pontos em seu prontuário. O caso foi descoberto neste mês pela Delegacia de Crimes de Trânsito (DCT), que investiga irregularidades na transferência de pontos. O motoqueiro ainda vai ser ouvido pela Polícia Civil.

Para combater esse tipo de fraude, a partir de julho o proprietário do carro e o condutor do veículo deverão reconhecer a assinatura em cartório para passar a pontuação. Segundo o delegado José Sampaio Lopes Filho, o nome do atual recordista veio à tona enquanto a DCT investigava o caso de um motorista de 30 anos, residente em Pindamonhangaba, interior paulista, que tinha 85 mil pontos na carteira.

"Ouvimos uma mulher que se beneficiou da transferência e descobrimos que pontos dela também foram repassados para o motoqueiro de Peruíbe", disse Lopes Filho. Durante depoimento, a motorista não revelou como teve acesso ao esquema.

A polícia investiga o envolvimento de despachantes, autoescolas e servidores públicos nas fraudes. De acordo com Lopes Filho, o motociclista tinha mais de 1,5 mil páginas de pontuação entre 2007 e 2010. "Por incrível que pareça ele conseguiu renovar a carteira no dia 18 de dezembro de 2009", afirmou.

Um detalhe que chama a atenção é que a habilitação do morador de Peruíbe é categoria A, ou seja, ele só pode pilotar motos. Mesmo assim foram transferidos pontos de multas de carros.

Policiais da DCT devem ir nos próximos dias para Peruíbe para ouvir o suspeito. Lopes Filho disse acreditar que o homem de cem mil pontos possa ter recebido dinheiro para assumir os pontos de outros motoristas em seu prontuário. Cada transferência pode custar de R$ 100 a R$ 200.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.