Polícia descobre fábrica de dinheiro falso em São Carlos

Três homens foram presos; notas falsificadas são todas de R$ 50

Brás Henrique, de O Estado de S. Paulo,

22 de fevereiro de 2008 | 17h07

Um laboratório de falsificação de dinheiro foi descoberto pela Polícia Militar (PM), na noite de quinta-feira, 21, em São Carlos, na região de Ribeirão Preto, interior do Estado. Três homens foram presos em flagrante por introdução e circulação de moeda falsa e formação de quadrilha.   A Polícia Federal (PF) de Araraquara ouviu os envolvidos e agora procura o receptador das notas falsas, todas de R$ 50, que fazia a distribuição.   Segundo o delegado da PF, Jackson Gonçalves, os falsificadores disseram que estariam agindo a um ano na cidade e falsificando de R$ 10 mil a R$ 15 mil por semana. Ele não confirmou a quantia que teria sido derramada no comércio.   Com o trio, que foi levado para a Cadeia de São Carlos, foram apreendidos R$ 800 em notas falsas.   O chefe da quadrilha de falsificadores é José Valdeiro Aires Gama, de 38 anos, que já cumpriu 18 meses de prisão pelo mesmo crime, no Paraná, mas que estava solto, sob liberdade condicional, havia um ano e meio.   Na casa onde funcionava o laboratório, na Vila Prado, foram apreendidos computadores, impressoras, papéis especiais, estiletes usados para fixar a fita de segurança e carimbos que imitam a marca d'água.   Os números das séries das notas eram todos iguais. A PM localizou o laboratório a partir da detenção de um homem que estava com dinheiro falso. Algumas notas falsas foram queimadas pela quadrilha, pouco antes da prisão. Além de Gama foram presos Pedro Lopes da Silva, de 25 anos, e Celso Dutra, de 37.

Tudo o que sabemos sobre:
notas falsasprisãopolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.