google street view
google street view

Polícia descobre criadouro clandestino com mil galos de rinha

Polícia diz que o local encontrado era o principal ponto de criação e treinamento de animais para essa finalidade no País

da redação, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2020 | 17h41

SÃO PAULO - A Polícia Civil descobriu nesta terça-feira, 14, um criadouro clandestino com cerca de mil galos de rinha no Grajaú, na zona sul de São Paulo. A investigação, que teve início em agosto do ano passado, acredita que o local seja um dos principais fornecedores de animais para essa finalidade em todo o País. 

Dois caseiros e o dono do terreno, que não tiveram as identidades informadas, foram encaminhados à Delegacia do Meio Ambiente de Santo André. Eles foram indiciados por maus tratos, exploração de jogo de azar e formação de quadrilha. Eles não foram detidos e responderão aos crimes em liberdade. 

Segundo os investigadores, o caso é monitorado desde agosto do ano passado, quando foi descoberto um local de rinha de galos em Mauá, na Grande São Paulo. O grupo de apostadores então teria migrado para São Bernardo do Campo. Esse segundo local também foi descoberto e nesse ponto foram apreendidos cadernos que ajudaram a polícia a entender como funcionava o esquema dos organizadores. 

Os investigadores acreditam que o criadouro localizado nesta terça é um dos principais locais de criação e treinamento de galos para rinha. Cerca de duzentos animais estavam na casa do dono do criadouro e o restante (cerca de 800 aves) estavam em um galpão. 

Cães

Em dezembro, a Polícia Civil do Paraná resgatou, em São Paulo, no município de Mairiporã, 19 cães que participavam de uma rinhaOs animais, da raça pitbull, eram incentivados a lutar entre si e foram encontrados com diversos ferimentos. Entre os envolvidos na rinha estão veterinários, médicos, um policial militar e cinco estrangeiros.




 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.