Polícia descarta ligação de atirador com grupos extremistas

Investigadores dizem que relatos em diário são fantasiosos, mas delegacia rastreia com quem ele se comunicava na internet

Pedro Dantas / RIO, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2011 | 00h00

O atirador Wellington Menezes de Oliveira será apontado como único responsável pelos 12 homicídios e ao menos 12 tentativas de assassinato na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, zona oeste do Rio, ocorridos quinta-feira passada. Foi noticiada a possibilidade de Wellington ter tido ajuda de outras pessoas no massacre, mas a polícia descartou essa hipótese.

Os policiais encontraram manuscritos de Wellington na casa em que ele morava, em Sepetiba, também na zona oeste. Após a análise do material e a comparação com depoimentos de parentes e conhecidos do assassino, os investigadores concluíram que os encontros narrados em uma espécie de diário são fantasiosos. Wellington escreveu que encontrou Abdul e Phillip e que eles o receberam em um grupo. Em outra folha, diz que brigou com Abdul e fala sobre planos para um atentado na Malásia.

Os investigadores ouvidos pelo Estado foram enfáticos em afirmar que o diário não será alvo de investigação, pois nada aponta que Wellington estaria ligado a algum tipo de grupo religioso ou político extremista.

As atividades do atirador na internet são investigadas pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática e podem virar inquérito, caso fique comprovado que alguém ajudou ou estimulou Wellington a cometer a matança na escola.

A Divisão de Homicídios está em fase de conclusão do inquérito. Depoimentos, perícia, análise de imagens e o laudo de um psicólogo do Instituto de Criminalística Carlos Éboli apontam que a chacina foi planejada por Wellington, que era esquizofrênico e se matou na escola.

A investigação sobre a origem das armas usadas no massacre - um revólver calibre 32 e um calibre 38 - foi encaminhada à Delegacia de Repressão às Armas e Explosivos (Drae). Uma das tarefas é identificar um homem chamado Robson, que teria vendido uma das armas a intermediários, presos na sexta-feira. De acordo com as primeiras investigações, logo após a venda das armas, Robson foi sequestrado por milicianos e está desaparecido.

Um suposto treinamento militar de Wellington para cometer os crimes também está praticamente descartado. Após análise das imagens e da forma como recarregava as armas, os peritos também descartaram que Wellington tenha tido aulas de tiro. Uma troca de e-mails indica que ele pesquisou preço de aulas de tiro, mas desistiu quando teve de mostrar documentos.

Em 30 dias, a Divisão de Homicídios deve receber laudo do Instituto de Criminalística que apontará que o massacre foi decorrente da esquizofrenia do atirador. Para a polícia, o bullying contra Wellington no colégio contribuiu para que ele escolhesse sua antiga escola como alvo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.