Polícia de SP ouve suspeitos de depredação em protestos

Deic apura se as 80 pessoas convocadas têm ligação com o movimento Black Bloc e com partidos políticos

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

14 Novembro 2013 | 16h09

SÃO PAULO - Desde as 9 horas desta quinta-feira, 14, delegados do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) colhem depoimentos de detidos durante manifestações nos últimos meses na cidade. Foram convocadas 80 pessoas. Até as 16 horas, mais de 50 já haviam sido ouvidas.

Segundo advogados que representam parte dos manifestantes, eles não integram o movimento Black Bloc nem promoveram atos de vandalismo. O advogado de apenas um deles confirmou, no entanto, que seu cliente, cuja identidade ele não revelou, foi um dos que invadiram a loja Tok Stok da Marginal do Pinheiros, na zona sul, durante protesto em 15 de outubro. Mas, segundo Geraldo Santamaria Neto, seu cliente não depredou o local.

Ao longo de todo o dia os manifestantes foram indagados sobre sua atuação política. Segundo advogados ouvidos pela reportagem, os delegados do Deic perguntaram a todos os convocados se eles são ou não filiados a algum partido político ou ainda se colaboram com alguma sigla. Até agora, nenhum deles foi indiciado ou preso. Os depoimentos seguem até o fim da tarde.

Mais conteúdo sobre:
protestos black blocs

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.