Polícia conclui inquérito sobre morte de dentista em São Bernardo

Quatro acusados de queimar Cinthya Moutinho estão presos; delegado acha que eles devem continuar na prisão até o julgamento

Tiago Dantas, O Estado de S. Paulo

14 Maio 2013 | 12h15

SÃO PAULO - O delegado Roberto Bueno Menezes, do 2°. DP de São Bernardo, concluiu o inquérito sobre a morte da dentista Cinthya Magaly Moutinho, de 47 anos, que foi queimada em seu consultório durante um assalto no dia 25 de abril. O documento foi encaminhado à Justiça na quinta-feira, 9.

Menezes pediu a prisão preventiva dos três acusados pelo crime: Jonatas Cassiano Araújo, de 21, Victor Miguel de Souza, de 25, e Thiago de Jesus Pereira, também de 25 anos, que já estão detidos temporariamente. O delegado também pediu a permanência do adolescente de 17 anos, acusado de botar fogo na vítima, na Fundação Casa.

"Concluímos o inquérito 15 dias antes do prazo para ele ser bem apreciado pela Justiça. Entendo que a prisão preventiva tem respaldo legal neste caso, até pela periculosidade e pela frieza dos indiciados. Acredito que eles não devem aguardar o julgamento em liberdade", afirmou o delegado.

O caso. Cinthya foi queimada viva em 25 de abril enquanto atendia uma paciente no consultório que mantinha em casa, onde morava com os pais aposentados e uma irmã portadora de deficiência. Apontado como líder do bando, Victor e o adolescente mantiveram a dentista em cativeiro, a cobriram com álcool e passaram a ameaçá-la com um isqueiro. Enquanto isso, Jonatas foi a um posto de gasolina para sacar o dinheiro da conta da vítima. Thiago aguardava num Audi A3 preto para preparar a fuga. 

No caixa, Jonatas verificou que Cinthya tinha apenas R$ 30 e avisou os comparsas por celular. Irritado com a notícia, o adolescente resolveu atear fogo na vítima, segundo a polícia. O jovem confessou o crime e depois negou, em um vídeo gravado pela polícia. Uma testemunha que estava no consultório, porém, confirmou que foi ele quem ateou fogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.