Polícia começa a usar helicóptero em rondas na via

Aeronaves são equipadas com câmeras e vão auxiliar policiamento feito com motos e tentar identificar os criminosos

Camilla Haddad, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2011 | 00h00

A PM começa hoje a usar helicópteros do Grupamento Aéreo para patrulhar a Marginal do Pinheiros, principalmente entre as Pontes do Morumbi e Ary Torres, onde foram registrados arrastões contra motoristas parados no congestionamento.

O helicóptero Águia vai sobrevoar a região em horários estratégicos para orientar o policiamento terrestre, que será feito por motos das Rondas Ostensivas com o Apoio de Motocicletas (Rocam). A ideia é identificar criminosos e prendê-los em flagrante. Outra vantagem dos helicópteros, segundo a PM, é a iluminação da via. As aeronaves poderão iluminar as pistas com holofotes, o que também ajudará no policiamento. Desde janeiro, cinco pessoas foram detidas pela PM na região. Outros dois adolescentes foram apreendidos no dia 11 de maio depois de danificar o vidro do carro de uma advogada de 33 anos. Ela teve a bolsa levada.

Apoio. O coronel da reserva da PM, Carlos Alberto de Camargo, que já foi comandante da corporação, afirma que, no caso das Marginais, é fundamental que os policiais em moto tenham o apoio do Águia. "Tudo tem de ser perfeitamente integrado", diz. "São vias com muitas saídas. Por isso é normal que se use helicóptero para acompanhamentos", afirma Camargo.

Segundo o oficial, o ideal é que viaturas também fiquem paradas nas entradas e saídas dos viadutos e pontes, onde os casos têm ocorrido com mais frequência. Somado a isso, ele destaca a importância de câmeras para registrar a movimentação de pessoas e carros por ali.

Camargo afirma que as aeronaves têm um sistema de imagens e sons que podem ser repassados em tempo real. O equipamento é conhecido como "Olho de Águia". Para ele, no entanto, os casos de assalto na área só serão reduzidos se a Polícia Civil ajudar na investigação de quadrilhas e grupos criminosos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.