Polícia Civil prende três suspeitos de alugar armas para roubos

Segundo o Deic, quadrilha operaria também esquema de clonagem de cartões de crédito; sete mandados de busca foram cumpridos

O Estado de S. Paulo

11 de novembro de 2014 | 09h33

SÃO PAULO - A Polícia Civil prendeu nesta segunda-feira, 10, na zona leste da capital paulista três homens suspeitos de formar uma quadrilha que alugava armas para utilização em roubos, principalmente de carros e motocicletas, e operar esquema de clonagem de cartões eletrônicos de crédito e débito.

A 1ª Delegacia de Investigações sobre Roubo e Furto de Veículos (Divecar) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) também cumpriu sete mandados de busca e apreensão no Parque Santa Madalena, na Fazenda da Juta e no Jardim Elba.

O operador de máquinas Tiago de Araújo, de 21 anos, foi preso em flagrante com uma pistola .380 de numeração raspada na Rua Palmeira de Vinho, no Jardim Elba. Segundo o Deic, ele admitiu informalmente alugar a arma e receber 30% do valor obtidos nas ações criminosas.

Os policiais também detiveram por associação criminosa o motoboy Renato Henrique Costa de Souza, de 33 anos, e o pintor Ricardo Santos Pimenta, de 25. A dupla seria responsável pelo esquema de clonagem de cartões bancários. Os investigadores apreenderam três máquinas de leitura de tarjas magnéticas e uma listagem contendo 999 numerações de cartões constando limites de crédito e saque.

Investigação. Segundo o delegado titular da 1ª Divecar, Gilmar Bessa, as apurações começaram no final de março. "Começamos investigando envolvidos em roubos e sequestro na modalidade 'gangue da batida'. As apurações revelaram outras atividades criminosas do bando", disse Bessa.

De acordo com o Deic, o próximo passo das investigações é identificar se as numerações pertencem a cartões roubados ou clonados. "Há suspeita do uso dessas máquinas para simular compras", explicou Bessa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.