Polícia Civil prende três suspeitos de alugar armas para roubos

Segundo o Deic, quadrilha operaria também esquema de clonagem de cartões de crédito; sete mandados de busca foram cumpridos

O Estado de S. Paulo

11 de novembro de 2014 | 09h33

SÃO PAULO - A Polícia Civil prendeu nesta segunda-feira, 10, na zona leste da capital paulista três homens suspeitos de formar uma quadrilha que alugava armas para utilização em roubos, principalmente de carros e motocicletas, e operar esquema de clonagem de cartões eletrônicos de crédito e débito.

A 1ª Delegacia de Investigações sobre Roubo e Furto de Veículos (Divecar) do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) também cumpriu sete mandados de busca e apreensão no Parque Santa Madalena, na Fazenda da Juta e no Jardim Elba.

O operador de máquinas Tiago de Araújo, de 21 anos, foi preso em flagrante com uma pistola .380 de numeração raspada na Rua Palmeira de Vinho, no Jardim Elba. Segundo o Deic, ele admitiu informalmente alugar a arma e receber 30% do valor obtidos nas ações criminosas.

Os policiais também detiveram por associação criminosa o motoboy Renato Henrique Costa de Souza, de 33 anos, e o pintor Ricardo Santos Pimenta, de 25. A dupla seria responsável pelo esquema de clonagem de cartões bancários. Os investigadores apreenderam três máquinas de leitura de tarjas magnéticas e uma listagem contendo 999 numerações de cartões constando limites de crédito e saque.

Investigação. Segundo o delegado titular da 1ª Divecar, Gilmar Bessa, as apurações começaram no final de março. "Começamos investigando envolvidos em roubos e sequestro na modalidade 'gangue da batida'. As apurações revelaram outras atividades criminosas do bando", disse Bessa.

De acordo com o Deic, o próximo passo das investigações é identificar se as numerações pertencem a cartões roubados ou clonados. "Há suspeita do uso dessas máquinas para simular compras", explicou Bessa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.