Polícia Civil abre inquérito para apurar possível crime na paralisação de ônibus

Líderes do sindicato dos motoristas foram intimados a depor, segundo a Secretaria da Segurança Pública

O Estado de S.Paulo

21 Maio 2014 | 15h34

A Polícia Civil instaurou nesta quarta-feira, 21, inquérito para apurar responsabilidades sobre a paralisação do sistema de transporte de São Paulo que ocorre desde terça-feira, 20. De acordo com a Secretaria  de Estado da Segurança Pública, a investigação tem como objetivo verificar se houve a ocorrência de delito previsto no artigo 262 do Código Penal, caracterizado como “expor a perigo outro meio de transporte público, impedir-lhe ou dificultar-lhe o funcionamento”.

Segundo a SSP, os líderes do sindicato dos motoristas de São Paulo foram intimados a prestar depoimento. A secretaria afirmou ainda que o efetivo da Polícia Militar foi reforçado nesta quarta-feira nos terminais de ônibus da capital e locais de grande circulação, com o objetivo de evitar a ocorrência de tumultos.

A secretaria afirma que, no entanto, não é atribuição da PM remover coletivos abandonados por manifestantes no meio de ruas e avenidas, como ocorreu nas Avenidas Rebouças, Brigadeiro Faria Lima e Teodoro Sampaio. De acordo com a pasta, a PM está à disposição da Prefeitura para dar segurança aos agentes da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) responsáveis por esse serviço.

Mais conteúdo sobre:
paralisação greve de ônibus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.