Polícia caça acusado de mortes na Oscar Freire

O assassino do analista de sistemas Eugênio Bozola, de 52 anos, e do modelo Murilo Rezende da Silva, de 21, já foi identificado pela polícia. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) deve revelar o nome do criminoso e a motivação do duplo assassinato ainda hoje. As investigações são conduzidas em sigilo pela Polícia Civil.

William Cardoso,

25 de agosto de 2011 | 01h33

O assassinato foi cometido de forma cruel anteontem, em um apartamento na Rua Oscar Freire, na zona oeste. Bozola e Silva foram esfaqueados várias vezes. No local, a polícia encontrou objetos quebrados e marcas de sangue nas paredes. Vizinhos dizem que ouviram barulho durante a noite, até aproximadamente 1h de anteontem. O assassino fugiu no carro do analista de sistemas, um Honda Civic prata.

Conversa. "O jeito como ele falou não era o dele. Estava muito estranho, disse que estava um pouco tonto." É assim que Catarina Rodrigues, de 24 anos, descreve a última conversa que teve com Silva, pelo telefone, na segunda-feira.

Catarina conheceu Silva há dez meses, no Rio, na Agência 40 Graus Models, onde os dois trabalharam. Ele se mudou para São Paulo em 4 de junho, quando passou a viver no apartamento de Bozola a convite do analista. Foi quando começou a trabalhar na Mega Model.

A ex-namorada afirma que teria vindo até a capital para tentar reconquistar Silva. Os dois mantinham contato diariamente, mas como amigos, embora ela diga que era apaixonada pelo rapaz. Segundo Catarina, o jovem tinha outro relacionamento, com uma mulher mais velha.

Silva foi descoberto por Sergio Mattos, da 40 Graus, em março de 2010. Mattos já revelou modelos como Gisele Bündchen e Jesus Luz. Ele observa ainda que o rapaz era talentoso e tinha como objetivo trabalhar na Europa. "Fazia a linha "fitness", com fotos de sunga, mostrando o corpo. Era atleta, gostava de malhar." Mattos diz que também foi procurado pela atual namorada de Silva. O relato foi semelhante ao de Catarina.

Terceiro. Catarina afirma que o relacionamento entre Silva e Bozola era de amizade. Na última semana, um terceiro rapaz teria se mudado para o apartamento da Oscar Freire. "Ele disse que outro menino estava morando lá, mas que deveria ir embora na terça. Não falou quem era e, embora eu tenha ido até lá na última quarta, não vi essa pessoa."

A ex-namorada descreve o modelo como carinhoso, humilde e trabalhador. Ela diz também que ele não usava drogas e ressalta que possivelmente foi vítima de alguma armação. "Estava no lugar errado, na hora errada."

Ontem, Catarina voltou ao Rio de Janeiro e, à tarde, seguiu para Rodeiro (MG), onde o corpo do modelo será enterrado hoje. Bozola foi sepultado em Igarapava, no interior de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.