Polícia busca autores de chacina que matou seis em Itapevi

Vítimas tinham entre 20 e 30 anos e foram mortas com tiros no tórax e na cabeça; um homem de 24 anos escapou e já prestou depoimento

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

19 de setembro de 2013 | 12h50

SÃO PAULO - A Polícia Civil de Itapevi, na Grande São Paulo, tenta identificar os autores de uma chacina de seis pessoas com idades entre 20 e 30 anos, mortas em um ponto de drogas próximo à Estação Engenheiro Cardoso, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Um homem de 24 anos ficou ferido na ação com um tiro na perna direita, foi socorrido e já prestou depoimento na delegacia.

Os corpos foram encontrados pela Polícia Militar por volta das 22h. Segundo os policiais, quando a viatura chegou ao local, todas as vítimas já estavam mortas, com tiros na cabeça e tórax. Dois mortos já foram identificados: Jeferson Bento Nascimento, de 20 anos, e Andreyus Oliveira Braga, cuja idade não foi informada. O primeiro tinha passagem pela polícia por tráfico de drogas.

O sobrevivente foi levado para o Pronto-Socorro Municipal e, à polícia, disse que não viu quem efetuou os disparos. A vítima afirmou que logo que ouviu os tiros, começou a fugir e só depois percebeu que havia sido atingida. O sobrevivente já havia sido internado na Febem (atual Fundação Casa) e declarou que foi ao local para usar drogas.

De acordo com o delegado titular da Delegacia de Itapevi, Raul Francisco de Souza, ainda não é possível dizer se houve execução, mas a polícia já tem informações de que o grupo estava na área para consumir entorpecentes. Foram encontrados estojos de projéteis de calibre 9 milímetros e 380, segundo Souza. Ao todo, a perícia técnica apreendeu oito cartuchos. Imagens de câmeras de segurança da região também foram solicitadas. A polícia ainda deverá ouvir os familiares das vítimas, que ainda não foram localizados.

Mais conteúdo sobre:
itapevichacin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.