Polícia busca 39 e prende líderes ligados a jogos ilegais na web

Quadrilha faturava R$ 5 milhões por mês e atuava tanto em lan houses quanto em sites que vendiam apostas

Solange Spigliatti, Central de Notícias,

22 de setembro de 2009 | 10h53

As pessoas apontadas como líderes de uma quadrilha que faturava R$ 5 milhões por mês com jogos de azar na internet já foram presos pela Polícia Civil nesta terça-feira, 22, inclusive uma de Porto Alegre. Ao todo, 39 pessoas são procuradas por fazer parte do grupo. As prisões devem ser feitas em 12 Estados.

 

Foto: Werther Santana/AE

 

O homem detido no Rio Grande do Sul é acusado de comandar o grupo que explorava jogos de azar em cerca de 500 pontos espalhados pelo País, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP).

  

As investigações começaram em agosto de 2008 e descobriram que a quadrilha usava dois sistemas nas operações. Um dos sistemas era o fechado, que permitia a exploração dos jogos através dos sites criados pelos bandidos, usados a partir lan houses, previamente cadastradas, que ficavam com 20% dos lucros.

 

No sistema aberto, os jogadores podiam acessar os sites de qualquer lugar público ou de casa, fazendo as apostas com cartão de crédito e pagavam os boletos em bancos.

 

Estão sendo cumpridos 358 mandados de busca e apreensão e outros 39 de prisão em Alagoas, Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

 

Texto ampliado às 11h47 para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.