Polícia Civil
Polícia Civil

Polícia apura maus-tratos em 'racha' de charretes na Raposo

Vídeo postado em redes sociais mostra um cavalo caindo durante a disputa em Mairinque, no interior de SP; animal ficou ferido

José Maria Tomazela , O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2018 | 08h47
Atualizado 02 Outubro 2018 | 20h15

SOROCABA - A Polícia Civil abriu inquérito, nesta segunda-feira, 1º, para apurar indícios de maus-tratos a animais em "racha" de charretes na Rodovia Raposo Tavares, em Mairinque, no interior de São Paulo. A investigação tem como base vídeos postados em redes sociais pelos participantes das corridas. Um deles mostra um dos cavalos caindo durante a disputa, após ser fustigado pelo condutor da charrete. Na queda, o animal e o condutor quase foram atropelados por um veículo.

O racha foi filmado no km 65 da rodovia, altura do bairro Marmeleiro. As imagens mostram que as charretes ocupam as duas faixas de uma das pistas da estrada, impedindo a passagem de veículos. Os equipamentos são do tipo biga, usados em passeios.

De acordo com a delegada Fernanda Ueda, as imagens mostram que os equinos são obrigados a um grande esforço para atingir o máximo de velocidade durante a corrida. Por causa da velocidade, o atrito do ferradura com o asfalto chega a produzir faíscas.

Além de possível crime de maus-tratos, a delegada acredita que os envolvidos posam ser indiciados por colocar a própria vida e as de outras pessoas em risco.

Lesões

A Polícia Civil localizou os cavalos usados na disputa. Um dos animais, de cor marrom, foi identificado como o equino que se desequilibrou e caiu no asfalto, após ser fustigado para correr pelo condutor da charrete. Conforme a delegada, o cavalo que sofreu a queda apresentava lesões aparentes, mas não tinha fraturas. Os dois animais passarão por exames.

Os equinos foram localizados em uma propriedade em São Roque, cidade vizinha. O condutor da charrete, que não teve a identidade divulgada, foi ouvido e negou que estivesse disputando um "racha" com a outra charrete. Ele disse que estava apenas "exercitando" o animal. 

Moradores da região afirmam que o uso da rodovia, no trecho de Mairinque, para corridas de charretes é comum, em fins de semana e horários de pouco movimento. A Polícia Militar Rodoviária informou que, nesse trecho, a rodovia é patrulhada diariamente e que já houve apreensões de veículos de tração animal conduzidos irregularmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.