Deic/Polícia Civil
Deic/Polícia Civil

Polícia apreende revólveres, pistolas e metralhadoras em carro na zona norte

Investigadores acreditam que o arsenal encontrado na Parada de Taipas seja de suspeito de envolvimento em assalto no Paraguai

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

23 Outubro 2017 | 21h15

SÃO PAULO - A Polícia Civil apreendeu no fim da manhã desta segunda-feira, 23, um arsenal no interior de um carro estacionado na Parada de Taipas, na zona norte de São Paulo. No veículo, havia quatro metralhadoras, nove pistolas, cinco revólveres, um simulacro de fuzil e três adaptadores que potencializam a velocidade do disparo de pistolas. Os investigadores acreditam que o material seja de um homem suspeito de ter se envolvido no assalto à empresa de valores Prosegur, em Ciudad del Este, no Paraguai, em abril deste ano.

+++ ‘Lava Jato da PM’ apura uso de senha da Segurança em fraudes de R$ 200 mi

A ação foi realizada por agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), da Polícia Civil paulista. Com as armas também foram encontradas centenas de munições de diferentes calibres. A equipe da 1ª Delegacia do Patrimônio, do Deic, buscava uma quadrilha especializada em assaltos, quando se deparou com informações sobre o fornecimento de armas para a realização desses crimes. Os dados foram divulgados pelo Deic.

+++ PCC avança fronteira e explode empresa no maior roubo da história do Paraguai

O departamento diz que José Luis Cardoso de Almeida, o Biliu, de 35 anos, seria o dono do arsenal. Ele está preso, segundo a polícia, no presídio federal de Catanduvas, no Paraná, por supostamente ter participado do ataque à Prosegur no Paraguai. A quadrilha teria levado R$ 120 milhões - valor contestado pela empresa. Na oportunidade, a polícia investigou o envolvimento do Primeiro Comando da Capital (PCC) no crime

"Almeida deixou o arsenal aos cuidados de Wesley Justiniano Gomes, de 24 anos", diz a nota do Deic. O veículo foi localizado parado na Rua Máximo Barbosa.  "A equipe da 1ª Patrimônio constatou que as armas estavam municiadas. Isso indica prontas para uso. O detido apresentava passagens por roubo", acrescentou a polícia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.