Polícia apreende imagem de santa 'recheada' com droga em SP

Imagem foi enviada pelos Correios de Ponta Porã para Santo Antônio do Arancaguá, no interior do Estado

Chico Siqueira, especial para O Estado de S.Paulo,

19 de março de 2008 | 21h56

Traficantes aproveitam a passagem da Semana Santa e da Páscoa para disfarçar o transporte de drogas e tentar enganar a polícia. Nesta quarta, 19, a Polícia Civil de Santo Antônio do Aracanguá, a 555 quilômetros de São Paulo, apreendeu uma imagem de Nossa Senhora Aparecida com cerca de 300 gramas de cocaína e pasta de cocaína em seu interior. A imagem foi enviada via Correios de Ponta Porã.  A santa, de 32 centímetros de altura, tinha uma base que a sustentava e foi postada em 14 de março e chegou a Aracanguá na manhã desta quarta-feira. O desempregado Reginaldo Souza da Costa, 21 anos, foi preso em flagrante após retirar o pacote com a santa nos Correios. Ele chegou a despistar os investigadores que o seguiam, mas foi detido numa lan house. Os investigadores perceberam um furo na base e desconfiaram do peso da imagem. Ao retirarem a base, eles encontraram balões de aniversário cheios de cocaína e pasta base de cocaína, que estavam fixados com resina no interior da santa.  O delegado Eduardo Padini, de Aracanguá, disse que a polícia já desconfiava de Souza, que vende drogas para trabalhadores rurais da cidadezinha. Segundo Pandini, foi o próprio Souza quem postou a santa em Ponta Porã. Cestas de Páscoa Na terça-feira, 18, patrulheiros da Polícia Rodoviária de Penápolis, a 491 quilômetros de São Paulo, apreenderam 16 cestas de Páscoa recheadas com 6,3 quilos de maconha, que eram transportadas de ônibus de Foz do Iguaçu (PR) para Brasília (DF). O jardineiro Jusélio Viana, de 24 anos, foi preso. Ele estava dentro de um ônibus que ia de Cruz Alta (RS) para Barreiras (BA). O ônibus foi parado numa blitz na rodovia Assis Chateaubriand (SP-425), em Penápolis. Os policiais desconfiaram de Viana e quando abriram o porta-malas do ônibus encontraram 16 cestas de Páscoa dentro de uma grande caixa de papelão. Ao abrir as cestas, os patrulheiros se espantaram com o forte cheiro de maconha. Viana disse à polícia que receberia R$ 500,00 para buscar a maconha em Foz do Iguaçu e levá-la até Brasília, onde receberia o dinheiro pelo transporte.

Tudo o que sabemos sobre:
Cestas de PáscoaSanta com drogas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.