Polícia apreende 30 tolenadas de produtos ilegais na Via Dutra

Carregamento é avaliado em R$ 3 milhões; quatro chineses e um brasileiro foram detidos pelos policiais

Simone Menocchi, O Estado de S.Paulo

15 de maio de 2008 | 18h24

Cerca de 30 toneladas de produtos ilegais fabricados na China foram apreendidos nesta quinta-feira, 15, pela Polícia Rodoviária Federal na Rodovia Presidente Dutra, em Queluz, no Vale do Paraíba. Os produtos, a maioria eletroeletrônicos e relógios, entraram no Brasil pelo Porto de Sepetiba, no Rio, e estavam sendo levados em um contêiner para São Paulo, para serem vendidos em camelôs e lojas da Rua 25 de Março, o maior centro de compras do País. O carregamento é avaliado em R$ 3 milhões, embora a polícia ainda estivesse contando os produtos até esta tarde.   De acordo com os policiais, durante a madrugada, no trecho de Queluz, na divisa com o Estado do Rio de Janeiro, os policiais notavam que alguns chineses carregavam caminhões, tirando mercadorias de um contêiner que havia se envolvido em uma batida. No local havia quatro caminhões.   Ao notar a aproximação dos patrulheiros, um dos motoristas conseguiu fugir com uma carreta. Outras cinco pessoas foram presas, entre eles quatro chineses que moravam em São Paulo e um brasileiro que trabalhava como despachante no porto de Sepetiba.   Com o grupo, além da mercadoria, foram apreendidos R$ 14 mil e três carros, responsáveis pela escolta dos caminhões. Os produtos foram contados e encaminhados para o depósito da Receita Federal de Taubaté. Os cinco detidos vão responder por descaminho e formação de quadrilha. Eles vão ficar presos na cadeia da cidade de Cruzeiro.   CDs piratas Na tarde de ontem a polícia civil de São José dos Campos destruiu 22 mil unidades piratas. O ato aconteceu ao lado da via Dutra, no quilômetro 145. Um rolo compressor quebrou todo material e os resíduos encaminhados à cooperativa municipal de reciclagem de São José dos Campos.

Tudo o que sabemos sobre:
piratariaChinaprodutos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.