Polícia admite erro ao dizer que psicólogo roubou banco

Vítima de erro teve documentos roubados

GIO MENDES, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2012 | 07h44

O delegado Armando Roberto Bélio, titular do 27º DP (Campo Belo), admitiu que houve erro no registro do boletim de ocorrência que apontou o psicólogo Ubiratan de Campos Escudero como acusado de trocar tiros com policiais militares depois de roubar o cliente de um banco na Vila Mariana, zona sul.   Segundo ele, o delegado plantonista, que registrou o caso, poderia ter descoberto o roubo dos documentos de Escudero se tivesse feito uma pesquisa no sistema da Polícia Civil. Além disso, o delegado plantonista não solicitou a legitimação do criminoso que estava internado no Hospital São Paulo, que consiste no recolhimento das impressões digitais para verificar se ele era realmente o portador do documento apreendido pela Polícia Militar. "O delegado acabou não colhendo as impressões digitais do ladrão que estava no hospital e acabou aceitando a documentação que foi apresentada para fazer o boletim de ocorrência", afirmou Bélio.   Segundo ele, a pesquisa com o nome do Escudero foi feita ao longo do dia. "Pelo sistema deu para constatar que ele (psicólogo) teve os documentos roubados e o equívoco foi desfeito. Seria o fim do mundo um ladrão fazer um boletim de ocorrência de roubo", disse. Apesar disso, a informação não foi repassada para a Secretaria da Segurança Pública, que até a noite de ontem divulgava a notícia sobre a prisão do psicólogo em seu site.

Leia abaixo a matéria original

Um homem de 37 anos foi preso acusado de trocar tiros com policiais militares depois de roubar o cliente de um banco na Vila Mariana, zona sul de São Paulo, na noite de anteontem. Ele tentou fugir em um Fox roubado, mas acabou baleado e bateu o veículo em um poste. Ele foi levado em estado grave para o Hospital São Paulo. O suspeito permanecia internado no pronto-socorro até a meia-noite de ontem.

Segundo a PM, o criminoso abordou com um revólver um acupunturista de 54 anos que sacava dinheiro em um banco na Rua Domingos de Morais. Um sargento da PM que estava de folga viu o assalto e chamou policiais que estavam em patrulhamento a poucos metros do local.

Ao perceber a aproximação da viatura, o homem atirou, entrou no Fox e começou a fugir. O psicólogo foi baleado no peito por um dos policiais e perdeu o controle do veículo, que bateu em um poste na Praça Doutor Teodoro de Carvalho, cerca de 20 metros à frente do local do roubo. O Fox havia sido roubado na semana passada no Cambuci.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.