Divulgação/Corpo de Bombeiros
Divulgação/Corpo de Bombeiros

Polícia acredita que helicóptero com noiva caiu por causa do mau tempo

Testemunha contou que aeronave voava muito baixo por causa da chuva e da forte neblina; segundo delegado, helicóptero não tinha instrumentos de navegação

Alexandre Hisayasu, O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2016 | 17h49

SÃO PAULO - A Polícia Civil acredita que a queda do helicóptero, em São Lourenço da Serra, região metropolitana de São Paulo, que matou quatro pessoas no último final de semana, tenha sido provocada pelo mau tempo. Esta é a principal hipótese das investigações coordenadas pelo delegado Flávio Luis Teixeira. 

Uma testemunha relatou que o helicóptero "voava muito baixo" por causa da forte neblina que havia no local. "Quando o helicóptero caiu, também chovia bastante. Além disso, a aeronave não tinha instrumentos de navegação. O piloto contava apenas com o visual", contou o delegado.

Uma investigação preliminar constatou que o helicóptero estava com a documentação em dia. A polícia instaurou inquérito de homicídio culposo. "Vamos apurar se alguém agiu de maneira imprudente", afirmou Teixeira. Uma perícia do Instituto de Criminalística e da Aeronáutica vai ajudar as investigações a descobrir as causas do acidente.

O helicóptero, modelo Robinson 44, caiu na tarde de domingo, no bairro Barrinha, uma região com muitas chácaras. A aeronave transportava a enfermeira Rosemere Nascimento Silva, 32 anos, a irmã dela, uma fotógrafa grávida e o piloto. Todos morreram na hora. Rosemere estava a caminho do próprio casamento e pretendia surpreender o noivo, o chaveiro Udirlei Marques Damasceno, de 34 anos, chegando de helicóptero.

Segundo a polícia, os corpos foram liberados nesta segunda-feira pelo Instituto Médico Legal (IML). Ainda não há informações sobre o enterro das vítimas.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.