Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Police assume Câmara prometendo portas abertas

Tucano oferece café para a população na frente do Legislativo paulistano; derrotados na eleição, vereadores do 'centrão' e do PT não comparecem à posse

Diego Zanchetta, O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2011 | 00h00

Ao assumir ontem como presidente da Câmara Municipal de São Paulo, o vereador José Police Neto (PSDB), de 38 anos, prometeu abrir as portas do Legislativo para a população. Em um ato simbólico, o tucano ofereceu um café da manhã com mesas colocadas na calçada na frente do Palácio Anchieta e no saguão de entrada do prédio.

"Ouviremos todos os setores da sociedade paulistana, queremos saber quais são os problemas da cidade. As opiniões conflitantes ajudam a construir uma democracia mais forte e sólida", discursou o presidente. Police Neto assume o comando da Câmara após cinco anos de domínio do bloco partidário conhecido como "centrão", liderado pelo ex-presidente Antonio Carlos Rodrigues (PR), que não compareceu à transmissão do cargo.

Em nota, Rodrigues disse que tinha viagem agendada anteriormente para Brasília e seria representado pelo ex-vice-presidente Dalton Silvano (PSDB). Nenhum dos 16 parlamentares do "centrão", derrotado na eleição para a nova Mesa Diretora no dia 15, compareceu à posse. Os 11 petistas também não foram.

"É absolutamente normal (a ausência do ex-presidente)", contemporizou Police Neto. A vice-prefeita Alda Marco Antonio (PMDB) e o secretário de Educação, Alexandre Schneider, representaram o prefeito Gilberto Kassab (DEM) na cerimônia.

Vereador desde 2004 e líder de governo há três anos, Police Neto é dos novos quadros do PSDB. Seu nome já é cogitado para a sucessão municipal de 2012. Por enquanto, o tucano evita falar sobre o futuro político.

Café no viaduto. Antes da posse e da celebração ecumênica realizada no auditório, às 8h o cerimonial da nova Presidência surpreendeu quem passava pelo Viaduto Maria Paula. Mesas repletas de frutas tropicais, pães e café foram colocadas na calçada do Viaduto Jacareí. Gente como a dona de casa Marly Soares, de 52 anos, moradora na Bela Vista, que passava por ali, acabou parando para o café. "Tomei duas águas de coco", disse.

CRONOLOGIA

Disputa teve até agressão física

3 de novembro

Vereadores do "centrão" e do PT barram projeto que aumentaria salário de Kassab. A proposta havia sido apresentada pelo próprio criador do "centrão", o então presidente da Câmara, Antonio Carlos Rodrigues (PR), para desgastar o prefeito na briga da Câmara.

18 de novembro

Kassab declara apoio a José Police Neto (PSDB) para a presidência. O outro candidato, Milton Leite (DEM), é apoiado pelo "centrão" e pelo PT.

25 de novembro

O vereador Marcelo Aguiar (PSC), que organizava jantar a favor de Police Neto, é agredido e chamado de "traidor" por parlamentares do "centrão".

8 de dezembro

Kassab exonera o secretário de Desenvolvimento Econômico e do Trabalho, Marcos Cintra, para que ele volte à Câmara e vote em Police Neto.

14 de dezembro

Após perder apoio do PMDB e PCdoB, Antônio Carlos Rodrigues diz que "traidores foram embora, graças a Deus", mas admite que o "centrão" deve perder a eleição.

15 de dezembro

Tucano é eleito com 30 dos 55 votos. No mesmo dia, é aprovado orçamento de R$ 35,6 bi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.