PMs participaram da execução de juíza no Rio

Perícia indica que a munição usada no assassinato de Patrícia Acioli veio do paiol da corporação; suspeitas recaem sobre batalhão de São Gonçalo

Pedro Dantas / RIO, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2011 | 00h00

O comandante da Polícia Militar do Rio, coronel Mário Sérgio Duarte, admitiu a participação de PMs na execução da juíza Patrícia Acioli, no dia 12, depois que exames da Divisão de Homicídios revelaram que pertencem ao paiol da corporação os projéteis que mataram a magistrada. A Corregedoria da corporação vai apurar o desvio da munição para pistola calibre .40, uma das armas utilizadas no assassinato.

O coronel disse que "trabalhava com a possibilidade" de envolvimento de policiais desde o dia do crime e apontou que houve a participação de PMs "no mínimo em alguma fase, da execução até a preparação" do assassinato. A suspeita do envolvimento de policiais na execução começou quando os peritos da Divisão de Homicídios (DH) encontraram no local do crime dois estojos de munição deflagrada de pistola .40, arma que é usada por 5 mil policiais da corporação.

Em seguida, exame no laboratório de perícia revelou, pela marca impressa a laser nesses estojos, que a munição pertencia a um lote de 10 mil projéteis vendido pela Companhia Brasileira de Cartuchos à PM. Registros da Secretaria de Segurança apontam que a munição foi distribuída para três batalhões, incluindo o 7.º (São Gonçalo), onde trabalhava a maioria dos 60 policiais condenados pela magistrada. Também foram abastecidos os batalhões de Niterói e Itaboraí.

Desde a Lei 10.826/2003, toda munição fabricada no País tem a identificação do lote e do adquirente nos projéteis. No Rio, 80% dos homicídios são praticados com munição identificada, o que facilita o rastreamento. A outra arma utilizada no assassinato da juíza foi uma pistola calibre 45, de uso exclusivo das Forças Armadas. Estojos da munição dessa arma também foram recolhidos pela perícia.

Descontrole. A falta de controle da PM sobre a munição retirada dos batalhões pelos policiais impede a identificação imediata dos PMs que estariam envolvidos no crime. No entanto, as investigações estão avançadas e concentradas em um grupo de policiais que integravam o 7.º BPM e também pertenciam a grupos criminosos em São Gonçalo. /COLABOROU BRUNO BOGHOSSIAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.