PMs ''highlanders'' condenados a 18 anos e 8 meses de prisão

Júri considerou quatro policiais culpados pela morte de deficiente mental em 2008. Defesa vai tentar anulação

Bruno Lupion e Elvis Pereira, O Estado de S.Paulo

31 de julho de 2010 | 00h00

Após 16 horas de julgamento, o Tribunal do Júri de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, condenou ontem a 18 anos e 8 meses de prisão quatro policiais militares pela morte do deficiente mental Antônio Carlos Silva Alves, o Carlinhos.

Os condenados, o sargento Moisés Alves dos Santos, o cabo Joaquim Aleixo Neto e os soldados Anderson dos Santos Salles e Rodolfo Vieira dos Santos, são acusados de pertencer ao grupo de extermínio highlanders. A defesa afirmou que pedirá a anulação do julgamento. Os PMs já estavam presos.

A equipe do 37.º Batalhão, segundo testemunhas, abordou Carlinhos, de 31 anos, em 9 de outubro de 2008, no Jardim Capela, zona sul. O rapaz foi encontrado decapitado, com as mãos arrancadas e um corte no formato de cruz no abdome, em Itapecerica. Teria sido espancado até a morte. Na sentença, o juiz Antonio Franla Hristov afirmou que os policiais "deveriam ter sido os primeiros a proteger a vítima". A seu ver, houve abuso de autoridade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.