PMs conhecidos como 'Highlanders' são absolvidos em Itapecerica da Serra

Policiais Militares foram declarados inocentes, por 4 votos a 2, pela execução de 2 jovens envolvidos com tráfico de drogas

Ricardo Valota, do Estadão.com.br,

18 Março 2011 | 01h51

SÃO PAULO - Depois de mais de 14 horas de julgamento, que teve início às 10 horas de ontem, os policiais militares Jorge Kazuo Takiguti e João Bernardo da Silva, os "Highlanders", foram absolvidos da acusação pela mortes de Roberth Sandro Campos Gomes, de 19 anos, o "Maranhão", e Roberto Aparecido Ferreira, de 20, o "Bebê". O caso foi julgado em Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, e a absolvição foi por 4 votos a 2.

 

As vítimas teriam sido sequestradas pelos PMs no Capão Redondo, na zona sul de São Paulo, na madrugada de 6 de maio de 2008. Os corpos dos dois jovens foram encontrados decapitados em Itapecerica da Serra. Outro acusado, Jonas Santos Bento, que deveria ter ido a júri também não foi julgado pois seu advogado não compareceu à sessão alegando problemas de saúde, e seu julgamento foi remarcado para o dia 1º de novembro. O nome do grupo faz alusão ao filme de mesmo nome no qual as vítimas eram decapitadas.

 

Segundo a denúncia do Ministério Público, os réus teriam obrigado Ferreira e Gomes a entrarem na viatura policial e levados para local ermo, onde foram assassinados. De acordo com os promotores do Ministério Público, Salmo Mohmari dos Santos Junior e Marcos de Matos, que ofereceram a denúncia, os PMs "agiram como justiceiros, em atividade típica de grupo de extermínio". Segundo a denúncia, Gomes e Ferreira foram executados porque supostamente estavam envolvidos com tráfico de drogas.

 

Os PMs estavam presos preventivamente há mais de dois anos no presídio Romão Gomes Pinto. Segundo a defesa, outros três policiais militares assumiram a autoria dos crimes, mas recorreram ao Tribunal de Justiça. O julgamento deles está marcado para ser realizado em setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.