PMs acusados de matar mecânico em SP são demitidos

Policiais dizem que foram injustiçados e que recorrerão; assassinato ocorreu em 2007, em Bauru

Jair Aceituno, especial para a Agência Estado

19 de junho de 2008 | 14h20

Os soldados Lincoln César Cares, Renato Valderramas de Favari e Ricardo Antonio do Amaral, integrantes da patrulha acusada de perseguir e matar o mecânico Jorge Luiz Lourenço, na noite de 5 de abril de 2007 em Bauru, foram demitidos na terça-feira, 17, da Polícia Militar. Desde os fatos, que provocaram manifestações populares de repúdio pela cidade, os três estavam em trabalhos internos e respondiam a sindicância administrativa, que culminou com o desligamento. O mecânico pilotava uma moto e teria fugido do bloqueio policial porque estava com o licenciamento do veículo vencido e sem carteira de habilitação. Ele foi perseguido e morto num matagal próximo à sua casa. Os policiais afirmaram terem sido recebidos a tiros, mas os exames indicaram que não, desmontando a tese de confronto. Os três policiais demitidos disseram que foram injustiçados e que vão recorrer da decisão. Citam como argumentos, prêmios importantes que receberam durante o período de atuação. Além da demissão, os três também responderão a processo por homicídio. A audiência de instrução está marcada para 17 de julho, no Fórum de Bauru.

Tudo o que sabemos sobre:
Polícia Militarassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.