PM virou ídolo em Itanhaém

Por cinco minutos, a soldado da Polícia Militar Elenice Gonçalves Louzada, de 35 anos, pensou tratar-se de trote. Mas a criança, com voz trêmula, era coerente. Não errava a idade, nem mentia o telefone. "Tia, não é trote. Eu fui sequestrada", ela dizia, começando a ficar chorosa. Era verdade: a PM lidava com um sequestro. Do outro lado da linha, uma menina de 8 anos, mantida em cativeiro há 15 dias pela prima. Elenice evitou a possível tragédia: ela acreditou.

, O Estado de S.Paulo

25 Dezembro 2010 | 00h00

Mais três minutos foram suficientes para a garota E.K. indicar o telefone de familiares. A PM descobriu o cativeiro, no Parque São Lucas, zona leste de São Paulo, onde prendeu a prima. Seu comparsa, Manoel de Araújo Filho, fugiu e ainda está à solta.

Três semanas depois do ocorrido, a soldado encontrou E. K. duas vezes. "Na última vez, em um programa de TV, ela me contou que agora quer ser policial."

Em Itanhaém, no litoral sul, onde Elenice vive, a PM virou celebridade. "Todos me parabenizam por ser policial. Ganhei até buquê de flores dos vizinhos." No mercado e até na formatura da filha, ela foi parada para tirar fotos com desconhecidos. "É um carinho muito grande que vou levar comigo por todo 2011."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.