HÉLVIO ROMERO/AE
HÉLVIO ROMERO/AE

PM usa moto para fiscalizar caminhão

No primeiro dia de multas em vias restritas do Morumbi, houve parceria entre CPTran e CET, além de orientação sobre rota alternativa

Felipe Oda, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2010 | 00h00

Os motoristas que tentaram furar a restrição ao trânsito de caminhões no Morumbi, na zona sul paulistana, foram abordados por PMs do Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran) e escoltados para fora da área. Ontem, a CET começou a multar caminhoneiros em dez vias do bairro.

Em operação conjunta, os 50 agentes de trânsito da CET presentes no bairro avisavam por rádio as equipes da PM, quando não conseguiam visualizar a placa de um caminhão infrator. Cerca de 80 homens do CPTran circulavam pela manhã na região para dar suporte à fiscalização.

As placas encobertas por graxa não evitaram que o caminhoneiro Michel Francisco Mariano da Rosa, de 23 anos, fosse multado. Após chamado da CET, ele foi detido por uma das equipes do CPTran. "Não posso parar de trabalhar. Descarreguei blocos de cerâmica em Paraisópolis e preciso voltar para minha cidade (Tatuí, no interior do Estado). Faltam alternativas para quem precisa circular no bairro (Morumbi)." Rosa acabou escoltado até a Rodovia Raposo Tavares.

De acordo com o capitão Eliel Ponttirolli, comandante da 2.ª Companhia, além de multar os policiais estão orientando os motoristas a circular por rotas alternativas, como o Trecho Sul do Rodoanel e as Estradas de Itapecerica e do Campo Limpo. "Não temos interesse em punir. Queremos conscientizar os motoristas e orientá-los."

A multa é de R$ 85,12 e rende quatro pontos na carteira de habilitação. "Isso tem um efeito muito maior do que o valor cobrado. O receio de perder a carteira é mais efetivo. O trabalho em conjunto, com policiais abordando motoristas, também. O caminhoneiro vê o colega sendo parado e fica com receio de furar a restrição", afirma Ponttirolli.

Além da reclamação pela falta de rotas alternativas, os caminhoneiros abordados pela PM também questionavam a sinalização. "As únicas placas falando da restrição estão nas ruas em que é proibido passar. Aí, não adianta mais. Seremos multados. A CET tem de avisar antes", lamentou o caminhoneiro Makoto Mahushi, de 56 anos.

Por meio de nota à imprensa, a CET informou que 1.120 placas de sinalização foram espalhadas pela região. A restrição de caminhões no Morumbi foi anunciada há aproximadamente um mês. Mas só ontem os agentes de trânsito começaram a multar.

Somente estão liberados caminhões de transporte de perecíveis, de mudanças e construção civil cadastrados no Departamento de Operações do Sistema Viário ou Veículos Urbanos de Carga (VUCs). A proibição vale das 5h às 21h durante a semana e das 10h às 14h, aos sábados - exceto feriados. A restrição é para as Avenidas Giovanni Gronchi, Francisco Morato, Morumbi, Luís Migliano, Dr. Guilherme Dumont Villares, Jacob Salvador Zveibel, João Jorge Saad e para as Ruas Oscar Americano, Padre Lebret e Jules Rimet.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.