PM reforça efetivo para o Dia dos Namorados

Objetivo é coibir arrastões em bairros com concentração de restaurantes, como Itaim, Pinheiros, Moema e Jardins; até a Rota foi convocada

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2013 | 02h02

Homens da Rota, da Força Tática e do Policiamento Comunitário vão reforçar a segurança hoje nas ruas da capital para a celebração do Dia dos Namorados. O objetivo da operação especial, realizada pelo segundo ano consecutivo, é impedir que a data seja marcada por um onda da arrastões a bares, restaurantes, teatros e casas de shows.

As zonas sul e oeste concentrarão o efetivo. Bairros como Higienópolis, Pinheiros, Moema, Jardins, Vila Madalena e Vila Olímpia serão o foco. O único diferencial é que, neste ano, os shoppings entraram para a lista dos policiais.

A Polícia Militar afirmou, em nota, que o objetivo é garantir a segurança da população e manter a ordem pública enquanto os casais comemoram a data. A corporação não informou quantos policiais participarão da ação, apenas assegurou que todos os programas de policiamento serão empregados.

O reforço policial foi negociado na semana passada entre representantes da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) e da Secretaria de Estado da Segurança Pública. A entidade se reuniu com o secretário Fernando Grela Vieira para discutir o avanço da violência na capital, com ênfase na alta no registro de arrastões. Neste ano, criminosos abordaram clientes em pelo menos 20 estabelecimentos comerciais, incluindo restaurantes badalados das zonas sul e oeste, como o bistrô Ruella, no Itaim-Bibi, invadido no dia 30.

Botão do pânico. Além do maior efetivo policial, a Abrasel afirma que restaurantes terão segurança extra, entre outras medidas de segurança, como câmeras nas ruas e botão de pânico. "É o que se pode fazer em datas festivas, onde o movimento de clientes aumenta, assim como a sobra de dinheiro no caixa", afirma o diretor jurídico da associação, Percival Maricato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.