Reprodução
Reprodução

PM que matou ladrões em SP vai responder por dirigir Uber

Conduta será alvo da Corregedoria; para secretário, ele agiu em ‘legítima defesa’, mas ‘excessos’ serão apurados

Bruno Ribeiro e Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

08 de novembro de 2016 | 03h00

A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo informou que, conforme a Lei Disciplinar da Polícia Militar, agentes não podem exercer outra atividade remunerada, como ser motorista de Uber, por exemplo. Por isso, o PM que matou três suspeitos após sofrer uma tentativa de assalto na zona leste de São Paulo, no sábado, terá a conduta apurada pela Corregedoria, por meio de processo disciplinar.

Indagado nesta segunda-feira, 7, sobre o caso, o secretário da Segurança, Mágino Alves, afirmou que o policial militar agiu em “legítima defesa”. Ele estava de folga e trabalhava como motorista do Uber no momento do crime. O caso aconteceu na Rua Tilburis, em Cidade Líder, por volta das 18 horas.

Imagens de câmeras de segurança mostram um assaltante saindo do carro. Ele veste um capuz e aborda o policial, sentado no banco do motorista. Na sequência, o PM reage, desce do carro com a arma na mão e o criminoso sai correndo. Depois, ele é perseguido e baleado pelo agente.

No tumulto, outros dois suspeitos abrem a porta para tentar sair, mas um deles é baleado e fica deitado na calçada. O terceiro corre e também é perseguido. Na volta, o PM chuta a cabeça do rapaz que ficou caído. 

“Para quem assiste a gravação fica nítido que ele agiu realmente em legitima defesa”, afirma o secretário Mágino Alves. “Ele estava sendo vítima de um roubo (praticado) por três elementos. A ação dele se defendendo foi filmada.”

Excesso. O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). Segundo Mágino, “um eventual excesso do policial na ação vai ser apurado dentro do processo”, diz. 

Tudo o que sabemos sobre:
UberSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.